Humildes sabedores

(Photo by Charl Folscher on Unsplash)

Se um sujeito abrir as “páginas” de algum jornal ou portal de notícias, além de todos os assassinatos de reputações e “cancelamentos” – justificados por alguma causa supostamente nobre – deparará, também, com inúmeros usos mal feitos de palavras há muito estabelecidas no léxico brasileiro.

Uma delas, certamente, é “igualdade”. Outra, não menos na moda: “liberdade”.

Tudo bem que, pelas próprias definições, essas são palavras que significam conceitos de alto grau de equivocidade. Porém, o perigo que anda espreitando o leitor inexperiente – não só em interpretação de textos, como na vida – é que elas têm sido apresentadas como consensuais, absolutas, pacíficas; na verdade, podem até levar a conclusões absolutamente distintas daquelas que se apresentam, e certamente indesejadas pelo autor.

Virtude maltratada

Como se não bastassem as névoas lançadas sobre conceitos usuais em discussões políticas, também as encontramos em outra seara: a das virtudes. A mais maltratada, sem sombra de dúvidas, tem sido a prudência: de capacidade de agir segundo a reta razão (para chegar a um fim transcendental), tornou-se quase sinônimo de uma triste mistura de preguiça com medo, que impede o sujeito de lançar-se a qualquer empreendimento que vá custar-lhe algo precioso sem que gere ganhos próprios – materiais (como dinheiro) ou imateriais (como estima ou admiração).

A humildade, esta outra vítima dos nossos tempos, tem sido associada por alguns a um estado de espírito tacanho, pequeno, sem qualquer ambição de crescimento; seja no campo profissional, social, ou até espiritual, o que se tem esperado de uma pessoa supostamente humilde é que ela não aspire a grandes conquistas. Existe ainda a sua agravante: a suposta humildade que só se alcança mediante a pobreza financeira absoluta.

Nada disso é coerente com o que sempre se ensinou a respeito dessa tão necessária virtude. É interessante que a raiz da sua morfologia resida no latim “humus”, que significa “terra”: o sujeito humilde é aquele que tem os pés no chão, e não se deixa transportar pelos delírios de uma estima exagerada por si mesmo. Não por acaso, ela é considerada uma virtude derivada da modéstia, no sentido de moderar-se a estima que alguém atribua a si mesmo.

Não é só quanto à definição que a humildade sofre com desvios; também nas formas de sua aquisição – e aqui, talvez, com muito maior perigo – existem algumas ideias que não correspondem exatamente àquilo que se deseja obter. Uma delas é pensar que as ações que nos levam a crescer em humildade sejam a virtude em si mesma.

Retidão

Agir com retidão de intenção, por exemplo, desejando que o resultado de um ato moralmente bom seja alcançado pelo próprio bem que significa, e não por promoção pessoal, é uma conduta meritória e ordenada à humildade; porém, não é isto, em si, a elevação do grau desta virtude no sujeito que praticou tal ato.

Servir ao próximo desinteressadamente é outra conduta que ordena a consciência humana à vivência da humildade; porém, também não é ela, por si só, que denota ter se tornado o sujeito mais virtuoso. O mesmo acontece com o reconhecimento de seus erros – principalmente perante outras pessoas – e o controle dos pensamentos fantasiosos sobre si próprio (que frequentemente levam o sujeito a estimar-se além da realidade).

Apesar de tudo isso conduzir-nos numa rota tendente ao crescimento em humildade, ela só brota de fato no coração humano quando temos a singular oportunidade de enxergar umas das coisas mais difíceis da vida: nossas misérias mais profundas.

Não se trata somente de enxergá-las como quem lê um livro ou vê um filme; trata-se de tomar uma profunda consciência dos defeitos que possuímos, e notar que, por mais que não os estejamos colocando em prática todos os dias, sempre sentimos suas picadas e mordidas. Não raro, infelizmente, os concretizamos, tornando um pouco pior a vida de alguém no mundo (além das nossas, é claro).

Reconhecer profunda e intimamente nossas misérias (durante um momento de recolhida meditação) é uma vitória que não nos bate à porta todos os dias. Aliás, o sujeito que anda à procura do crescimento em virtude considera esse achado um tremendo presente, e não se incomoda em perceber que seu autorretrato não tem linhas tão elegantes e atraentes como sempre houvera imaginado.

Antes, fica alegre como quem ganhou um prêmio que não merecia, e faz planos eufóricos sobre como lutar para corrigir os defeitos recém descobertos e transformá-los em acertos.

No fim da linha, quando já não houver mais tempo para refletir sobre defeitos e qualidades, feliz será aquele que tiver se exercitado na humildade e se enxergado com clareza: com muita naturalidade e serenidade, não levará nenhum susto ao se ver retornando à terra, àquela mesma velha terra de onde viemos e para onde todos haveremos de voltar.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMãe denuncia genro por assediar irmã mais nova da esposa
Próximo artigoAtlas da Violência: número de assassinatos de negros cresce 11% em 10 anos