Hotéis inovam e experimentam primeiros sinais de recuperação na pandemia

Levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Mato Grosso (ABIH-MT) revela aumento na taxa de ocupação de leitos

Imagem Ilustrativa (Foto: divulgação)

Despedindo-se do período mais crítico da pandemia, hotéis e pousadas de Mato Grosso  experimentam os primeiros sinais de recuperação. Após amargar índices de 5% de taxa média de ocupação em abril, algumas empresas estão encerrando setembro com aproximadamente 25% do leitos ocupados.

O bom resultado não se deve apenas a reabertura gradativa dos estabelecimentos, mas também à capacidade de inovação do setor.

É o caso de um hotel localizado no Centro Político e Administrativo de Cuiabá. Embora seu público seja majoritariamente constituído por profissionais liberais e empresários, a administração decidiu investir em novas atrações para driblar a crise.

As ações de marketing vão da comercialização de “Day-use” com drinks inclusos nos finais de semana, até à noite do pijama para os “baixinhos”.

“Promovemos essas ações em agosto e o resultado foi bastante positivo. Alcançamos uma taxa de ocupação até 30% nos finais de semana, sendo que normalmente era de 5%. A maior parte do nosso público é coorporativo e que, por consequência, se hospeda durante a semana. Porém, o fenômeno do isolamento social fez com que muitas famílias passassem a buscar um ‘oásis’ nos finais de semana para refrescarem a cabeça com segurança. E é isso que decidimos oferecer no Hotel Delmond”, explicou o empresário Bruno Delcaro.

Muito chão pela frente

Embora os primeiros sinais de recuperação tenham começado a aparecer, o fluxo de hospedagem ainda está longe de voltar à normalidade. Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Mato Grosso (ABIH-MT), Jack Abboudi, a expectativa é de que o setor só retome os índices anteriores – taxa média de 60% de ocupação – no final do ano que vem.

De acordo com a entidade, dos cerca de 650 hotéis e pousadas existentes em Mato Grosso, aproximadamente 40 encerraram as atividades de vez. Alguns fecharam as portas em abril, pior mês da crise, e reabriram depois.

“Embora seja inegável o impacto da pandemia no setor, devemos agradecer por esse início de retomada. É um sinal positivo, que nos anima. Quem conseguiu se manter, agora deve inovar, criar novos produtos e atrair outros públicos para o seu negócio”, analisou Abboudi.

LEIA TAMBÉM

Desde o início da pandemia, a ABIH-MT e a Associação Brasileira das Governantas (ABG) estabeleceram protocolos com recomendações, visando garantir a segurança de hóspedes e funcionários, que vão desde o uso indiscriminado de álcool gel e máscaras, até protetores faciais.

Também foram recomendados cuidados específicos na troca e higienização de toalhas e roupas de cama, além da limpeza frequente dos filtros dos condicionadores de ar, entre outras medidas.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCalor histórico
Próximo artigoMT tem 22 dos 50 municípios com maior valor da produção agrícola do Brasil