Hortência e Oscar Schmidt: ícones do basquete e maiores cestinhas do Brasil

O basquete é um dos esportes mais populares do mundo e reúne uma legião de
admiradores ao redor do mundo. No Brasil, a história do basquete é representada por jogadores de ótimo desempenho que fazem história em competições do esporte. No entanto, dois nomes são referência do basquete no Brasil: Hortência e Oscar Schmidt.

RAINHA HORTÊNCIA

A trajetória de Hortência no basquete começou cedo após seu talento para o esporte ser notado por um professor de Educação Física. A carreira profissional começou em 1973 ao jogar pelo time de São Caetano do Sul, ficando até 1975. Seguindo seu caminho, a atleta foi contratada pelo Higienópolis, time de Catanduva, interior de São Paulo. Em sua passagem pelo time, Hortência conquistou três campeonatos paulistas, em 1978, 1979 e 1980.

Aos 17 anos, o talento de Hortência a fez conquistar uma posição na Seleção Brasileira. A partir dos anos 1980, a atleta viu o boom em sua carreira e levou vários títulos, como a medalha de bronze nos Jogos Panamericanos de Caracas e a medalha de prata nos Jogos Panamericanos de Indianápolis, em 1987.

Em 1994, Hortência resolveu se aposentar das quadras, mas seu talento a renderam mais uma medalha nas Olimpíadas de 1996. Isso mesmo, a Rainha retornou para as quadras para integrar o time brasileiro, levando a medalha de prata.

A Rainha Hortência é considerada a maior pontuadora de basquete pela Seleção Brasileira. São 3.160 pontos marcados em 127 partidas.

O MAIOR CESTINHA DO MUNDO

A carreira profissional de Oscar Schmidt começou em 1974, com sua mudança para São Paulo aos 16 anos para integrar o infanto-juvenil do Palmeiras. Seu talento rendeu posições de destaque e Oscar foi convocado para a seleção juvenil de basquete, e em 1977 foi eleito o melhor pivô do sul-americano juvenil, garantindo uma vaga na seleção principal.

Com passagens pelo Sírio, pelo América do Rio e por times italianos, é impossível não associar a trajetória de Oscar com a Seleção Brasileira. Marcado como um dos maiores nomes do basquete mundial, o atleta defendeu seu país em cinco Olimpíadas e trouxe alegria para os admiradores do esporte. Nos Jogos Olímpicos, Oscar conquistou o posto de maior cestinha da história das Olimpíadas com 1093 pontos.

Com uma carreira tão estrelada, Oscar deixou seu legado com marcos incríveis, sendo o maior cestinha da história do basquete com 49.737 pontos marcados.

Ícones do basquete no Brasil, Hortência e Oscar foram escolhidos em 2018 como representantes dos atletas na Assembleia da Confederação Brasileira de Basquete.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMais médicos para MT: prova do Revalida deve ser aplicada em agosto
Próximo artigoQuatro novas opções