Homicídio de adolescente em centro espírita em MT teve motivação homofóbica

A princípio crime foi tratado como intolerância religiosa, mas investigação deu conta de que se tratava de homofobia

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

O inquérito policial que apurou o homicídio que vitimou um adolescente em um centro espírita em Rondonópolis (220 km ao sul de Cuiabá) foi concluído pela Polícia Civil, na segunda-feira (3), com indiciamento do autor pelos crimes de homicídio consumado e dupla tentativa de homicídio.

O suspeito está com o mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça e atualmente é considerado foragido da Justiça.

Segundo as investigações da Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da 2ª Delegacia de Polícia de Vila Operária, o crime foi motivado por homofobia e não por intolerância religiosa, como pensado no início das investigações.

O crime que vitimou o adolescente Victtor Cauã Bianchini Silva, de 17 anos, ocorreu no dia 14 de março, em uma residência onde funcionava um centro espírita, no bairro Residencial Farias. No local, as equipes policiais policiais encontraram a vítima já sem vida, atingida por disparo de arma de fogo.

Logo no início das investigações, os policiais receberam informações de que o autor do crime era o pai de um frequentador do centro religioso. Além da morte do adolescente, três disparos também atingiram outras duas pessoas, entre elas o responsável pela realização dos cultos religiosos, que foi socorrido e encaminhado para o hospital, conseguindo sobreviver aos ferimentos.

LEIA TAMBÉM

Segundo a delegada, Karla Peixoto Ferraz, no curso do inquérito policial, ficou comprovado através da oitiva de testemunhas e laudos da perícia, que as vítimas foram surpreendidas pelo suspeito de modo que não tiveram a menor chance de defesa. Outra questão esclarecida durante as investigações, foi a motivação do crime, que não tinha relação religiosa.

“Apesar de ter ocorrido dentro de centro religioso, foi constatado que o crime tem na verdade motivação homofobica, uma vez que o suspeito não aceitava as amizades do filho por se tratarem de homossexuais”, explicou a delegada.

Com a conclusão do inquérito e indiciamento do autor do crime, as diligências continuam em andamento para localizar o suspeito, que está com a ordem de prisão preventiva decretada, porém continua foragido.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno cogita nova MP para ampliar beneficiados com auxílio emergencial
Próximo artigoSenado pode aprovar hoje projeto que impede suspensão de aulas presenciais