Homem quer identificar fiscais da Sema que o agrediram

Servidores estariam bebendo cerveja em horário de expediente e acharam que a vítima ia tirar fotos para denunciá-los

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Com medo de serem denunciados, fiscais da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) teriam agredido um homem em frente a uma distribuidora no bairro Jardim Industriário, em Cuiabá. O crime aconteceu no começo do ano passado e, desde então, a vítima tenta na Justiça conseguir a identificação dos agressores.

Na semana passada, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso julgou um mandado de segurança, no qual o homem agredido pedia que a Secretaria de Estado de Meio Ambiente encaminhasse a informação, que teve o pedido protocolado no órgão em abril de 2020.

Contudo, os desembargadores não acataram a solicitação, porque o caso foi encaminhado para a Corregedoria do governo do Estado, que agora é responsável por respondê-lo. O encaminhamento do processo era o que cabia ao chefe da pasta naquela situação.

Conforme o advogado da vítima, Edvaldo Angêlo da Mata, o homem passou em frente a uma distribuidora de bebidas e, naquela ocasião, estava com o celular na mão.

Então, dois homens, que usavam uniformes da fiscalização da Sema e estavam parados perto de uma caminhonete do órgão, em horário de expediente enquanto tomavam algumas cervejas, foram em direção a ele. Os servidores argumentavam que a vítima estava tirando fotos para denunciá-los.

Além de agredi-lo fisicamente, o grupo tomou o celular da mão do rapaz e quebrou o aparelho. Por conta da confusão do momento, a vítima ainda não conseguiu a identificação dos acusados, para poder entrar com as medidas administrativas e judiciais cabíveis.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorParaense espera há três meses exame de DNA para enterrar o filho, morto em MT
Próximo artigoPai é acusado de oferecer dinheiro para estuprar filha e tentar beijá-la