Homem é condenado a 15 anos de reclusão por matar companheira que queria sair de casa

Antes de morrer ela o abraçou e pediu para não atirar mais, dizendo que o amava, mas ele atirou mais uma vez e a matou

Crédito: Michał Chodyra/Thinkstock

Josenildo Silva do Nascimento foi julgado e condenado pelo Tribunal do Júri da comarca de Barra do Bugres (a 170 km de Cuiabá), nessa quinta-feira (27), a 15 anos de reclusão, em regime inicialmente fechado, por matar a companheira, Andressa da Silva Targa, de 21 anos, que queria ir embora de casa.

Conforme a denúncia do Ministério Público de Mato Grosso, o crime aconteceu na noite de 18 de setembro de 2018, no bairro Antigo Laticínio.

“Josenildo Silva do Nascimento, utilizando de uma arma de fogo, e com emprego de violência contra mulher exercida por razões da condição do sexo feminino (violência doméstica), matou a vítima Andressa da Silva Targa”, narrou o promotor de Justiça Lysandro Alberto Ledesma.

As investigações apontaram que Andressa estava com o denunciado na residência do casal quando começaram a discutir e Josenildo disparou contra ela. O primeiro tiro foi dado dentro de casa.

Na sequência eles saíram e a vítima abraçada ao criminoso pediu para que ele não atirasse mais, dizendo que o amava. O homem se afastou, disparou mais uma vez contra a companheira e fugiu.

LEIA TAMBÉM

Andressa da Silva Targa foi socorrida por vizinhos, que tentaram a levar para o hospital para receber socorro médico.

A Polícia Militar estava a caminho do local do crime quando viu um carro em alta velocidade e o fez parar. O motorista – vizinho do casal – disse que estava a caminho do hospital municipal, junto com a vítima. Porém, ao chegar ao hospital, foi constatado que ela já estava morta.

Conforme o boletim de ocorrência, a mulher estava com duas perfurações causadas pelos tiros.

Na residência do casal, a mãe do suspeito contou aos policiais que ouviu os disparos e disseram a ela que o filho tinha fugido pelos fundos da casa, entrando em um pasto. Os militares fizeram uma varredura no local, mas não encontraram o suspeito.

A mãe do acusado disse que a nora e o filho dela moram juntos e que há dias o relacionamento não estava mais dando certo. Então, no dia do crime, Andressa disse que iria sair de casa e colocou seus pertences em uma bolsa.

A mãe acredita que o filho não queria que a companheira fosse embora e, por isso, a matou.

O Conselho de Sentença reconheceu a materialidade do fato, a autoria do homicídio e entendeu que o crime foi cometido com emprego de violência contra mulher exercida por razões da condição do sexo feminino (feminicídio). O condenado não poderá recorrer em liberdade.

(Com informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior PF deflagra operação para combater garimpos ilegais em terra indígenas de Mato Grosso
Próximo artigoMedeiros chama Paccola para o Podemos