Homem diz estar armado, ameaça vizinhos e, quando revistado, a “arma” era um controle remoto

A briga começou quando o suspeito foi perguntar para a vizinha por que ela não o cumprimentava

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Um homem de 45 anos foi preso na noite desse domingo (07) depois de fingir ser policial e ameaçar um casal de vizinhos dizendo estar armado. Porém, quando a Polícia Militar chegou ao local e o revistou, descobriu que a “arma” que ele tinha na cintura era, na verdade, um controle remoto de TV.

O caso aconteceu em uma quitinete no Bairro CPA IV, em Cuiabá, por volta das 19 horas.

Conforme o boletim de ocorrência, tudo começou quando o suspeito questionou sua vizinha, de 40 anos, sobre o motivo de ela não o cumprimentar. A mulher estranhou a pergunta repentina e contou para seu marido, de 43 anos, que resolveu indagar o vizinho sobre o motivo da pergunta.

Os dois homens acabaram discutindo e, durante a briga, o suspeito saiu em direção à sua quitinete dizendo que iria buscar uma arma de fogo. Na sequência, ele retornou com uma algema nas mãos, afirmando estar armado e se identificando como policial.

Ele disse para o casal que, caso a discussão continuasse, iria algemar marido e mulher, consta no boletim de ocorrência.

As vítimas disseram à equipe que atendeu a ocorrência que o suspeito falou que trabalhava na Delegacia do Verdão (DERF/Central de Flagrantes).

Os militares então iniciaram buscas pelo suspeito e o encontraram na rua da quitinete. Ele estava com a algema que mostrou para as vítimas e, em sua cintura, onde “estaria uma arma”, os policiais encontraram um controle remoto de televisão.

Ironicamente, o homem foi encaminhado, algemado, para a Central de Flagrantes de Cuiabá, local onde disse que trabalhava.

O caso foi registrado como ameaça e falsidade ideológica.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInício da transição
Próximo artigoEm ação popular, AGU defende segurança das urnas eletrônicas