Homem atira em companheira grávida, arrepende-se e a leva para hospital

O tiro atravessou a mão dela e atingiu a boca, ela implorou pela vida e ele resolveu salvá-la, socorrendo-a até uma unidade médica

(Ilustrativa/Pixabay)

Uma mulher de 31 anos, gestante, sofreu uma tentativa de feminicídio dentro de sua própria casa, em um garimpo ilegal na zona rural de Aripuanã (700 km de Cuiabá) nesse domingo (14).

Ela foi atingida por um tiro disparado pelo companheiro, implorou pela vida e o fez se arrepender de tentar matá-la. O homem, então, a socorreu e a levou para o Hospital Municipal de Aripuanã, onde ela recebeu socorro médico.

Segundo relato da vítima, era por volta de 2h30 quando ela e o companheiro tiveram uma discussão na barraca dos dois e, quando ela sentou na cama, ele pegou um revólver calibre 38 e atirou na direção da cabeça dela.

Antes do disparo, porém, houve tempo de ela perceber que ele iria atirar e, por isso, ela colocou a mão na frente do rosto para tentar se defender.

O tiro acertou a mão esquerda dela, transfixou e acertou a boca e o ombro da vítima.

O suspeito é foragido do Estado de Goiás e, segundo a vítima, é perigoso e já matou várias pessoas no estado.

Ela começou a suplicar para que o companheiro não lhe tirasse a vida, dizendo a ele que tinha dois filhos pequenos para criar e que estava grávida do terceiro, filho dele.

Ele, então, se arrependeu e a socorreu, levando-a para o hospital. Depois de deixá-la na unidade médica, o acusado ainda foi duas vezes ao local.

A polícia foi acionada pela equipe do Hospital Municipal e ouviu a vítima, que contou o ocorrido e disse que o suspeito deveria estar na casa de uma tia, que, inclusive, havia tomado o revólver dele há um tempo.

Ela deu o endereço da mulher e os policiais foram até o local e fizeram rondas pela cidade, mas o suspeito não foi encontrado.

O caso foi registrado como tentativa de homicídio doloso e será investigado pela Polícia Judiciária Civil.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCovid-19: economistas recomendam austeridade às famílias
Próximo artigoHá vagas na Saúde