Haverá eleição em outubro

Ministra disse que qualquer alteração no calendário eleitoral do país extrapola os limites da Justiça Eleitoral

(Foto: Divulgação)

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou pedido para que as eleições municipais 2020 sejam adiadas por causa da pandemia do novo coronavírus no Brasil.  A decisão é dessa quarta-feira (15) 

A presidente da Corte, ministra Rosa Weber, indeferiu pedido apresentado pelo senador Major Olimpo (PSL-SP). Ela disse que permanece o prazo é estabelecido por lei para a realização da eleição em outubro e qualquer alteração judicial sobre o assunto extrapola os limites de atuação da Justiça Eleitoral.  

A possibilidade de adiamento das eleições municipais vem sendo cogitada desde a declaração de pandemia do novo coronavírus no mundo feita em março pela Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Eleição suplementar

Em Mato Grosso, por exemplo, a eleição suplementar para o Senado está suspensa, sem data definida para a realização, por causa da avaliação de propagação do contágio. 

A decisão foi tomada pela própria Rosa Weber a pedido da Procuradoria Geral do Estado (PGE). A eleição estava programada para o dia 26 deste mês. 

Contudo, o calendário eleitoral referente a eleições municipais está sendo cumprido. No dia 4 de abril, data que marca seis meses antes do pleito, foi concluído o período para que novas legendas, que participarão das eleições, registrassem seus estatutos no TSE.  

Nesta data, se encerrou também o prazo de filiação de candidatos, que devem ter o domicílio eleitoral na circunscrição em que desejam disputar o pleito em outubro. 

No último dia 6 de abril, foi criado um grupo de trabalho para projetar impactos da pandemia do novo coronavírus na realização das eleições de 2020. 

Emenda constitucional

Para que as eleições sejam adiadas, é necessária uma emenda na Constituição. Uma proposta com esse teor foi apresentada pelo senador José Maranhão (MDB-PB).  

Porém, alterações no calendário eleitoral devem respeitar o princípio de anualidade, segundo o qual mudanças na legislação eleitoral somente entrem em vigor se aprovadas até um ano antes do pleito.  

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça suspende exigência de CPF regular para auxílio emergencial
Próximo artigoDetento denuncia tentativa de abuso sexual na ala dos evangélicos da PCE-Cuiabá

O LIVRE ADS