Guias de turismo querem linhas de crédito para se manterem durante pandemia

Trabalhadores são autônomos e perderam toda a renda desde o surgimento da covid-19. Para alguns, já falta comida

Os guias de turismo de Mato Grosso estão passando por dificuldades financeiras por conta da pandemia. Parte deles já manifestou a necessidade de apoio até para comprar alimentos.

Segundo a presidente do Sindicato dos Guias de Turismo do Estado de Mato Grosso, Suzy Miranda, a grande maioria é autônomo ou Microempreendedor Individual (MEI) e acabou sem nenhuma renda por conta do isolamento social imposto pelas autoridades no Brasil e também no exterior.

Ela explica que estamos em um período no qual, normalmente, haveria muito fluxo de estrangeiros no Estado, por conta das férias no continente europeu. Pessoas que têm como principal destino o Pantanal Mato-grossense.

“Temos cenários diferentes para todos as estações do ano, porém, de abril a setembro temos mais gente chegando, inúmeros receptivos, bem como passeios e trilhas agendados”, relata.

Segundo Miranda, no mês de pico, o rendimento de um profissional no Pantanal é entre R$ 3 mil e R$ 15 mil. A variação fica por conta do perfil do grupo, da quantidade de pessoas e das atrações escolhidas.

Depois desses meses, as visitas ficam mais raras e a famílias acabam sobrevivendo com o dinheiro que conseguiram juntar no período fértil.

Já em outras áreas, como em Chapada dos Guimarães, a diária fica cerca de R$ 80. O valor é menor, contudo o fluxo se mantém constante todos os meses do ano.

Propostas

Miranda afirma que, atualmente, o cadastro de guias turísticos tem 400 inscritos, sendo que metade vivem exclusivamente do setor. Entre eles, 30 manifestaram a necessidade de receber cestas básicas para garantir o sustento da família.

Conforme a guia, a categoria está participando de videoconferências com lideranças do turismo regional e governo. A principal reivindicação é a concessão de empréstimos para pessoas físicas e MEIs do setor.

“Eles têm o nome limpo, mas precisam de um apoio para passar pela situação difícil com dignidade”, afirma.

O sindicato almeja a flexibilização dos recursos do Fungetur – Fundo Geral de Turismo. O tema está previsto para ser discutido em uma reunião on-line no dia 18 deste mês.

Em Mato Grosso, a Desenvolve-MT é uma das operadoras do fundo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuase 60% dos pacientes com covid-19 em MT já foram curados
Próximo artigoImpulsionadas pelo isolamento, vendas online devem ser diferencial para o Dia das Mães