Guia do MEC diz que Mato Grosso já tem condições de reabrir escolas

Plano de orientação de protocolos diz que Estados e municípios com risco esporádico de contágio podem retomar as aulas presenciais gradualmente

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Mato Grosso já estaria em condições de retomar as aulas presenciais gradualmente, conforme o plano orientativo publicado pelo Ministério da Educação (MEC). O documento aprovado nesta semana pelo Conselho Nacional de Educação libera as escolas para a retomada por séries concatenadas com o modelo de ensino remoto. 

O Guia de Implementação de protocolos do MEC avaliou as condições de volta às aulas a partir da situação da pandemia em cada município e Estado. A ponderação de riscos é a mesma utilizada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), com classificação por vermelho (transmissão comunitária), amarelo (transmissão em grupos específicos), verde (transmissão esporádica) e azul (nenhum caso). 

No último boletim epidemiológico divulgado pela SES, todos os municípios aparecem com risco baixo (verde). Nesse patamar de contágio, o MEC avalia como seguro o retorno as aulas, desde que sejam adotadas as medidas preventivas, como uso de máscara e distanciamento mínimo de uma pessoa para outra. 

Cabe a cada município e Estado, no entanto, decidir quando as aulas presenciais serão retomadas. A orientação do ministério é que sejam avaliados alguns critérios: 

  • atualizar a lista de funcionários de cada unidade 
  • verificar o plano de reabertura das escolas 
  • definir se o retorno será gradual ou de uma só vez 
  • adequar o ambiente da escola às medidas de segurança 
  • adequar as condições de trabalho 
  • definir como será distribuição de merenda e outras alimentações 
  • monitorar o cumprimento das medidas de segurança 

Retornos pontuais 

Conforme o deputado estadual licenciado Valdir Barranco (PT), o plano aprovado pelo MEC coincide com as medidas apresentadas no relatório final da comissão especial que estudou as condições de volta às aulas presenciais em Mato Grosso. 

“É preciso que as aulas sejam retomadas gradualmente por cada município, o objetivo da Seduc (Secretaria de Estado de Educação) de fazer um calendário único não tem como ser aplicado, cada município tem uma condição”, disse. 

O deputado ressaltou que também é necessário revisar os calendários letivos de 2020 e 2021 para a unificação dos dois anos em um só. Essa medida seria para mitigar o impacto de perda da aprendizagem de alguns com o ensino remoto. 

A orientação do MEC é que o ensino virtual continue como complementação das aulas presenciais. Sobre a proposta de unificação dos anos letivos, o ministério sugere que, primeiro, seja feito um diagnóstico da aprendizagem dos alunos. 

Medidas a serem adotadas nas escolas 

  • uso constante de máscara 
  • lavar as mãos frequentemente 
  • não cumprimentar com aperto de mãos 
  • não compartilhar objetos de uso pessoal 
  • respeitar distância mínima de 1 metro 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEducação Ambiental – Prática necessária para a Geração Alpha
Próximo artigoCorregedoria do MP arquiva investigação contra promotores acusados de grampos