Governo regulamenta plantio experimental de soja em MT

Produtores poderão cultivar durante o vazio sanitário, caso haja pesquisas sobre resistência e melhoramento de linhagem do grão

O Governo de Mato Grosso vai autorizar o plantio experimental de soja. A portaria que regula a atividade, classificada de “excepcional”, foi publicada no Diário Oficial do Estado dessa segunda-feira (1º). As regras fazem parte das medidas fitossanitárias estabelecidas para este ano. 

Conforme o Instituto de Desenvolvimento Agrário (Indea), os produtores poderão fazer plantio, cultivo e manutenção de plantas vivas de soja, durante os períodos proibitivos, por quatro motivos. 

Dois são relacionados ao desenvolvimento de pesquisas sobre o grão plantado no intervalo sanitário, um ao aumento de produção com qualidade pré-genética resistente ao fungo que causa a doença asiática (Phakopsora pachyrhiz) e também para avanço nas linhagens do grão. 

O plantio experimental ficará restrito à área de 100 hectares por propriedade e os pedidos deverão ser formulados pelas equipes de pesquisas. O documento deverá apresentar a área de plantio, a fase de cada linhagem de soja que será cultivada. 

A autorização não será concedida para os produtores que testam a resistência do grão ao fungo Phakopsora pachyrhiz. 

A regulamentação do governo sai após um ano de um embate entre entidades representativas dos produtores e órgãos públicos fiscalizadores, ocorrido em 2020. Em outubro, a Justiça estadual retirou a posse da Associação dos Produtores de Soja e Milho em Mato Grosso (Aprosoja) sobre 44 mil quilos de soja cultivada em plantio experimental. 

Na mesma ação, multou a associação de R$ 213 mil como reparação de danos. A decisão partiu de uma ação civil pública do Ministério Público do Estado (MPE) por risco ambiental. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVacina russa tem eficácia de 91,6% e se torna uma das mais eficientes
Próximo artigoSó 3,8% dos trabalhadores continuam em home office em MT