Governo na contramão

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Começamos 2020 pagando mais caro nos produtos vendidos pelo comércio, em alguns casos até 30% – e não de 4% conforme noticiado -, devido à medida aprovada por meio da lei complementar n º 631/2019, que aumenta a carga tributária do ICMS em Mato Grosso.

O comércio é a atividade que movimenta diferentes produtos através da compra e venda de bens e mercadorias, que gera emprego, renda e, sobretudo, arrecadação monetária para os cofres públicos.

Como se não bastasse, é lamentável a conduta do Exmo. Sr. governador Mauro Mendes, que nesta semana utilizou a imprensa para sugerir que os consumidores comprem em outros estados, e uma das ferramentas pode ser via internet, “no qual os preços costumam sair mais em conta”.

Claro, pode ser que o preço de lá seja mais interessante, porque talvez eles tenham a carga tributária mais competitiva, item que Mato Grosso também precisa.

Porém, o nosso governador se esqueceu que as compras virtuais não geram emprego, renda e subsistência para o nosso querido MT, mas sim, o enfraquecimento da economia local, e o desânimo dos comerciantes e até a falência de diversas empresas.

Além de que, o consumidor não pode esperar por 10 dias a chegada de medicamentos, combustíveis e outros produtos essenciais.

Sr. governador, esperamos que cumpra as propostas realizadas na campanha eleitoral, e busque o fomento da economia mato-grossense, e o “enxugamento” da máquina estadual, pois ao invés de diminuir os gastos, o governo optou em “jogar” para os ombros dos consumidores a responsabilidade de erguer a receita do estado, através da aquisição de produtos com carga tributária exacerbada.

*José Wenceslau de Souza Júnior é comerciante e presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac-MT

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm 2019, brasileiros foram mais ao cinema, mas não para ver filmes nacionais
Próximo artigoCasal Obama agora é produtor cinematográfico e já com indicação ao Oscar

O LIVRE ADS