Governo federal vai repassar R$ 396 milhões para municípios monitorarem pacientes com covid

A ideia é que as prefeituras contratem profissionais de saúde e montem equipes que garantam o isolamento de quem está contaminado

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O Ministério da Saúde vai repassar R$ 396 milhões para que os municípios brasileiros invistam em ações de monitoramento e isolamento dos pacientes com a covid-19. A ideia é que o dinheiro seja usado para reforçar as equipes de profissionais que fazem essa atividade.

Uma portaria com as regras deve ser publicada em breve.

Segundo o Ministério, as prefeituras poderão contratar diferentes tipos de profissionais de saúde, de médicos a nutricionistas, passando por enfermeiros e técnicos de enfermagem. Haverá exigência de um determinado número de cidadãos por profissionais.

Dados da 35ª semana epidemiológica apontam para uma interiorização dos casos de covid-19. Segundo os números, 61% dos novos contágios têm ocorrido em cidades do interior, contra 39% em regiões metropolitanas.

Já a distribuição das mortes se estabilizou com 51% nos grandes centros urbanos e 49% nas demais localidades.

Apesar disso, o Ministério da Saúde aponta para uma evolução positiva nos dados da pandemia. O número de mortes por covid-19 caiu 11% em comparação com a semana anterior.

A 35ª semana epidemiológica corresponde ao período de 23 e 29 de agosto. Neste período, foram registrados 6.212 novas mortes pela doença. Na semana epidemiológica anterior (34ª), a soma foi de 7.018. Foi a maior queda no intervalo de uma semana na pandemia.

Já o número de casos confirmados da doença ficou estável, com uma oscilação de -1% no mesmo período.(Com Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProcurando um filme? Nova temporada do Cine África tem ficção e documentários gratuitos e online
Próximo artigoSaúde: investimento cresceu em Cuiabá, mas não melhorou o sistema