Governo estima que pandemia se estenda até novembro em MT

Queimadas, eleição e uma eventual volta às aulas são fatores levados em conta na estimativa baseada no histórico dos municípios

Imagem Ilustrativa (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo prevê que o cenário da pandemia do novo coronavírus deve se estender até novembro em Mato Grosso e ainda passar por agravamento nos próximos meses, causado por fatores ambiental e sociais. 

O início do período das queimadas, a eleição municipal e o eventual retorno das aulas presenciais tendem a aumentar o índice de contágio. A avaliação foi feita durante a entrevista coletiva online desta terça-feira (14). 

A estimativa de mais quatro meses com registros da covid-19 foi feita com base na análise de dados dos municípios. De acordo com Gilberto, as cidades entraram na pandemia em momentos diferentes e o mesmo deve ocorrer no caso da saída. 

“Se pensarmos que o contágio pode ser até 10 vezes maior que os registros oficiais, Mato Grosso está próximo da infecção de 300 mil pessoas, cerca de 16% da população. É um número muito baixo para dizer que outras pessoas não serão mais infectadas”, disse. 

Segundo o secretário, as queimadas vão piorar a qualidade do ar e gerar mais casos de distúrbios respiratórios. No cenário da pandemia, esse fator extra deve aumentar a demanda por internações em enfermaria e Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). 

Secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Volta às aulas e eleição 

Gilberto Figueiredo afirmou que, apesar de haver baixo registro de contágio entre crianças, elas continuam sendo agente de transmissão. A convivência nas escolas, portanto, poderia  levar a formação de focos de contaminação nesses locais. 

“Se não me engano, no Brasil, cerca de 300 [crianças] vieram a óbito, no universo de 74 mil [mortes], então, elas são pouco afetadas com contágio. Mas continuam sendo agentes transmissoras do vírus. Então, na volta às aulas presenciais, elas vão para a escola, podem pegar o vírus lá e levar para casa, onde estão os adultos e idosos, principalmente os com comorbidades”, afirmou. 

Ele disse que o início da campanha eleitoral e o dia votação também devem aumentar os casos da covid-19 no Brasil. O contato físico e a aglomeração de pessoas foram apontados como fatores de pouco controle. 

“Cada escolha gera uma consequência. O modo como se faz campanha política é de contato com as pessoas, a ida ao colégio eleitoral para votar também gera aglomeração de pessoas. Então, não podemos imaginar que isso terá resultado”, pontuou. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça manda Anvisa liberar carga com 300 mil testes rápidos de covid para MT
Próximo artigoSem médicos para 30 UTIs, governo de MT pede aplicação da prova do Revalida

O LIVRE ADS