Governo do Rio vai ao STF e diz ‘não ter recursos para nada’

O Estado do Rio entrou nesta sexta-feira, 27, com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo para tornar imediata a aplicação do plano de recuperação fiscal acordado com o governo federal. Representado pelo procurador-geral, o Estado alega ao STF que “não dispõe de recursos para nada”.

Na quinta-feira, o governo federal assinou com o Rio uma “carta de intenções” para a aprovação do plano, que envolve um ajuste de R$ 64,2 bilhões em três anos, até 2019.

Na reunião que selou o acordo, entre o presidente Temer, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ficou decidido que caberia ao governo fluminense buscar sozinho uma saída via STF para conseguir a imediata vigência do plano.

Orientado por órgãos jurídicos federais, Temer se comprometeu apenas com o envio de um projeto de lei ao Congresso Nacional para viabilizar exceções na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) a quem aderir ao acordo. A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), por sua vez, terá que aprovar uma série de medidas para honrar o acordo, inclusive iniciativas semelhantes às que a Casa já havia rejeitado, como alíquota extra para a Previdência estadual.

Na hipótese mais otimista, o acordo por essa via só deverá ser implementado entre março e abril.

O empréstimo-ponte de R$ 6,5 bilhões que o governo do Rio esperava receber de um consórcio liderado pelo Banco do Brasil só poderá sair também depois que o Congresso alterar a LRF. Com salários de servidores e despesas com fornecedores atrasados, o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, contava com esse dinheiro para enfrentar as resistências às medidas que terá de adotar, como aumento da contribuição à Previdência dos servidores.

Mais cedo, o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), que também participou da reunião de quinta-feira, disse que o Estado do Rio não tem fôlego financeiro para aguardar a aprovação de um projeto de lei no Congresso.

O secretário de Fazenda do Estado, Gustavo Barbosa, também destacou nesta sexta que os servidores com salários atrasados ainda devem viver tempos difíceis até abril. “Tem o tempo de aprovação, mas algo entre dois e três meses, acho que infelizmente ainda teremos essa penúria pela frente”, afirmou Barbosa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMinistra deve homologar delação da Odebrecht
Próximo artigoPromotor Marcos Bulhões assume Gaeco com missão de dar continuidade a operações

O LIVRE ADS