Governo de MT ganha nota A do Tesouro Nacional. Saiba o que isso significa

Governador Mauro Mendes fez anúncio afirmando que será possível fazer mais investimentos

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

O Governo de Mato Grosso conquistou uma nota A junto ao Tesouro Nacional. É o equivalente a ter o “nome limpo” e um bom score junto ao Serasa para conseguir a aprovação de financiamentos.

Nas palavras do governador Mauro Mendes (DEM), em anúncio transmitido pelas redes sociais na tarde desta segunda-feira (24), quer dizer que o Estado tem dinheiro para pagar suas dívidas.

Parece básico, mas a conquista foi tratada com ar de grandiosidade. Primeiro, porque só três Estados brasileiros têm essa nota. Segundo, porque Mendes assumiu o governo com uma nota C. Melhorar essa situação foi de uma de suas promessas de campanha e ela acabou sendo cumprida antes do previsto: o fim do mandato.

“Quando assumimos, só de restos a pagar o valor era maior do que o Governo de Mato Grosso tinha em caixa”, resumiu ele, em uma frase.

Mas o que muda afinal?

Durante o anúncio, Mauro Mendes falou muito em novos investimentos. A apresentação do governo cita 2,4 mil quilômetros de asfalto novo, seis hospitais, 35 novas escolas e 5 mil pontes de concreto.

Obras que, conforme Mendes, seriam impossíveis ou acabariam custando muito mais caro porque – com fama de mal pagador – o governo precisava aceitar juros altos e condições nada atrativas de financiamento.

Além disso, se antes empreendimentos assim eram feitos com 10% de recursos próprios e o restante de dinheiro emprestado, agora o Estado pretende conseguir bancar pelo menos metade sem ter que pedir verba extra a algum banco.

Economia em movimento

Outro motivo pelo qual a conquista é comemorada é a pandemia. Enquanto a maior parte dos Estados vive uma crise econômica causada pela necessidade de isolamento social, Mato Grosso andou na contramão.

E Mauro Mendes deu crédito à “teimosia” dos mato-grossenses em respeitar as medidas de prevenção à covid-19. Lembrou que, desde o início da pandemia, o Estado sempre esteve entre os que menos respeitaram o isolamento. “Opção da maioria das pessoas”, destacou, ressaltando que o governo até tentou ser contra, mas acabou derrotado.

Agora, com a possibilidade de mais investimentos – em especial em obras e compras públicas – a gestão Mauro Mendes espera ser a responsável pela criação de mais de 50 mil novos empregos até o fim do ano.

E que investimentos são esses?

Durante a entrevista coletiva – que foi realizada de forma remota, com os jornalistas enviando perguntas para serem lidas no local onde o anúncio ocorria: o Palácio Paiaguás – o governador deixou passar os questionamentos nesse sentido.

A reportagem do LIVRE, por exemplo, queria saber o que estava nos planos do governo que não poderia ser executado com a nota C e passou a ser possível com a nota A. Não foi respondida.

Outros jornalistas perguntaram sobre aplicação de recursos na compra de vacinas ou ações sociais, para ajudar a combater os efeitos da pandemia. Mauro Mendes citou diversas medidas adotadas pelo governo até agora e deu a entender que outras não estão nos planos.

E as perguntas sobre o pagamento de reposições salariais aos servidores públicos estaduais – que deixaram de ser quitadas na gestão anterior com o argumento, justamente, que faltavam condições econômicas para isso – sequer chegaram a ser feitas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem acha mala cheia de pendrives com imagens de crianças nuas na rodoviária de Cuiabá
Próximo artigoLira, Guedes e Pacheco se reúnem para discutir reforma tributária