Governo de MT estima que escalonamento de salários acabe em julho

Mendes se disse otimista com resultados e crê na volta do pagamento até o dia 10 de cada mês

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O governador de Mato Grosso Mauro Mendes (DEM) se disse otimista quanto à recuperação da saúde financeira do Estado e o fim de algumas medidas, consideradas excepcionais. É o caso do escalonamento de salários. A declaração foi feita em coletiva de imprensa, na tarde de segunda-feira (29).

Na semana passada, o secretário de Fazenda Rogério Gallo já tinha se manifestado no sentido de que não seria possível por fim aos escalonamentos até o final de 2019. Mendes, por sua vez, disse acreditar que o pagamento seja regularizado em julho.

“Eu estou bastante otimista. Certamente ele [o secretário Gallo] tem uma visão um pouco mais técnica, nos números da secretaria de Fazenda, e eu tenho uma visão mais estratégica, porque eu estou lidando com muitas informações. E eu acredito que será possível”, comentou.

Mendes pontuou que o pagamento de servidores é uma das áreas de atenção do governo, mas também lembrou que há muitos compromissos a serem regularizados, como pagamento de fornecedores, hospitais e prefeituras. Ainda assim, disse estar vendo melhorias no setor de salários.

“Gradativamente, já existe uma melhoria. Nós pagamos no dia 30 de janeiro o salário de dezembro, terminamos de pagar. Tem aí melhoria no setor de salários, mas temos melhorias também com prefeituras, com hospitais, e temos muito o que melhorar para poder caminhar”, disse.

O escalonamento de salários começou em janeiro, logo quando assumiu o governo. Por meio de nota, Mendes comunicou que a medida seria necessária diante do não repasse do FEX e não renovação do Fethab.

Conforme o governador, a falta dos recursos causou um rombo nas receitas do mês de janeiro e, por isso, os salários de dezembro de 2018 teriam que ser escalonados, assim como o 13º salário teria que ser parcelado.

Aliás, a última parcela do 13º deve ser paga até o início da tarde dessa terça-feira (30), conforme anunciou o governo.