Governador quer aval para novo empréstimo de 250 milhões de dólares

Empréstimo será feito para pagar débito com o Bank of América

Ednilson Aguiar

O governador Mauro Mendes (DEM) quer o aval da Assembleia Legislativa para tomar empréstimo de 250 milhões de dólares para pagar a dívida com o Bank of America, contraída em 2012, na gestão do ex-governador Silval Barbosa (sem partido). O novo empréstimo será feito com o Banco Mundial e o dinheiro será usado para quitar a dívida com o banco americano.

Com a operação, o Governo do Estado espera alongar a dívida e conseguir fôlego financeiro já que o Executivo despende R$ 300 milhões ao ano com o pagamento da dívida do Bank of America. O Estado também questiona o modelo de pagamento, já que são duas parcelas anuais de cerca de R$ 140 milhões, uma no mês de março e outra em setembro, segundo o governador.

Com a medida, os pagamentos serão mensais. Convertendo o montante em reais, o governador Silval Barbosa foi autorizado a contrair dívida com o banco americano no valor de R$ 470 milhões, o dinheiro foi usado para pagar dívidas contraídas com a União. No entanto, houve uma valorização cambial no período para o dólar, que custava R$ 2,03 e passou a custar R$ 3,77, em cotação desta quarta-feira (20).

O secretário de Fazenda Rogério Gallo, disse que o empréstimo só será possível graças a aprovação do pacote de medidas de contenção de gastos aprovado e sancionado pelo governador Mauro Mendes em janeiro, denominado de ‘Pacto por Mato Grosso’.

“Só existe essa operação porque fizemos o dever de casa da porta pra dentro”, disse o secretário ao destacar que o Banco Mundial não visa lucro, mas o desenvolvimento, já que a taxa de juros é de 3,5% ao ano e taxa administrativa de 0,5% paga no início do empréstimo.

O Governo do Estado estima que a dívida é de 227 milhões de dólares a ser paga até 2022, desconsiderando a parcela que deveria ser paga em março deste ano. Em setembro, o governo deveria pagar outros 36 milhões de dólares, em 2020 outros 76 milhões de dólares, 2021 a parcela seria de 79 milhões de dólares e, por fim, em 2022, a parcela seria de 82 milhões de dólares, no modelo atual, sem o novo empréstimo.

Com o Banco Mundial, ao invés de quatro anos, o Estado pagaria o montante em 20 anos. Levando em conta o cenário mais pessimista, segundo Gallo, a dívida ficará 767 mil dólares mais barata.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSelma Arruda não consegue mais prazo para apresentar alegações finais
Próximo artigoCasualidade? Talvez não