Governador percorre Poderes para “vender” crise de caixa

Balanço dos últimos 15 anos de receitas e despesas do Estado é apresentado, Mauro espera solução da crise o mais breve possível, mas evita falar em datas

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Dando continuidade a abertura das contas do Estado aos Poderes o governador Mauro Mendes (DEM) percorre nesta semana órgão do Executivo, Legislativo e Judiciário apresentando os números levantados nos últimos 15 anos. Na manhã desta quarta-feira (10), o cenário de caos nas contas foi pregado aos deputados estaduais. Segundo Mauro, a receita cresceu fortemente, chegando a 342%, mas o gasto com folha de pessoal cresceu 678%, desde 2003, primeiro ano do governo Blairo Maggi.

Segundo o governador, o alto aumento da folha no período explica as dificuldades de caixa enfrentadas pelo Executivo Estadual. Mauro Mendes tem usado como exemplo que a cada R$ 100 arrecadados pelo governo, R$ 75 são destinados para pagamento dos servidores dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Para o comandante do Palácio Paiaguás, isso impede o Estado de prestar um serviço de excelência ao cidadão.

[featured_paragraph]Mauro defende que o Estado inverta a lógica e trabalhe para aumentar a arrecadação. “Se não tivermos mais dinheiro para investir naquilo que realmente importa ao cidadão, dificilmente as coisas vão mudar neste Estado”, disse o governador.[/featured_paragraph]

Para mudar essa realidade, Mauro afirmou que o governo tem feito um enxugamento nas contas e cortado gastos “como foi previsto no primeiro mês de governo”. O chefe do Poder Executivo lembrou ainda a Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual e o aumento na arrecadação do Novo Fethab como medidas que devem dar alívio às contas públicas.

Também os projetos que acabaram com o aumento quase que automático dos servidores. Segundo ele, a meta é fazer com que 60% da arrecadação estadual seja gasta com o pagamento do funcionalismo público, atualmente essa porcentagem é de 67%.

Mendes destacou que só o Executivo usa 57% de sua receita para pagar servidores e que o máximo permitido seria de 49%. “Precisamos restabelecer uma lógica em que arrecadamos dinheiro e que não se gaste tudo dentro da máquina, tem que devolver isso em forma de serviços públicos para a população”, comentou.

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Balanço só em maio

Segundo o democrata, os primeiros resultados das medidas tomadas em janeiro devem ser apresentadas e avaliadas pela gestão depois do fechamento dos primeiros quatro meses do ano. Também destacou que sua gestão pretende apresentar não só as contas, mas o balancete contábil que mostra a real situação das contas do Estado de Mato Grosso.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), acompanhou o governador e destacou que a receita cresceu, mas que as despesas dispararam nos últimos 15 anos e que o momento é de ajustar esse descompasso. Para ele, com as medidas tomadas pelo governador e avalizadas pelos deputados estaduais será possível construir um futuro melhor para as contas do Estado.

O parlamentar disse ainda que aconselhou o governador a abrir às contas do Estado e tocar a máquina pública com total transparência. Segundo Botelho, o governo já fez isso dando acesso a arrecadação para a Associação Mato-grossense dos Municípios e aos sindicatos, que conseguem acompanhar os números em tempo real.

Botelho avaliou como positivo o fato do governador Mauro Mendes fazer uma interlocução direta com os deputados. Desde a transição de governo, o gestor tem mantido contato direto com os membros da AL. Na apresentação desta quarta não foi diferente, o democrata foi ao Palácio Dante Martins de Oliveira e esperou o término da sessão ordinária para fazer a apresentação aos deputados.

Na semana passada, Mauro fez a apresentação dos números aos prefeitos. Nesta semana, já apresentou o balanço aos membros do Ministério Público e na tarde desta quarta apresenta os números em reunião no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS