Governador diz que vacina “parece segura” e vai dialogar com Ministério

Mauro Mendes embarcar nesta terça-feira (3) para Brasília. Na pauta estão reuniões e, entre os assuntos, a vacina chinesa

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O governador Mauro Mendes (DEM) mostrou nesta terça-feira (3) tendência para influenciar o governo federal à compra da vacina chinesa contra a covid-19, a CoronaVac, que foi desautorizada pelo presidente Jair Bolsonaro, há cerca de duas semanas. 

Em entrevista coletiva, Mendes opinou que o produto seria um “avanço” da ciência por causa da elaboração em pouco tempo e a possível disponibilidade ao mercado até o fim deste ano.  

“Eu acho que a vacina é um avanço da ciência, existem dezenas de doenças enfrentadas ao longo de séculos, com a implementação da vacina. Nessa pandemia, a ciência está produzindo vacinas ao redor do planeta e eu acredito que é um caminho seguro para que nós possamos vencer de vez essa etapa da pandemia”, afirmou. 

O governador deve embarcar ainda hoje para Brasília para reuniões com representantes de Poderes. Dentre eles, assessores do Ministério da Saúde para discutir a segurança da vacina, produzida em parceria entre a farmacêutica chinesa Sinovac e o Instituto Butantan, com sede em São Paulo.  

Nos padrões científicos, as vacinas levam um mínimo de quatro anos para serem consideradas seguras. E não é incomum que esse tempo chegue até a nove anos. A desconfiança de especialistas, portanto, vêm do curto prazo na produção da CoronaVac associada à falta de informação sobre o procedimento. 

A declaração do governador Mauro Mendes aponta abertura para a compra após declarações seguidas de que aguardaria uma decisão de Bolsonaro sobre o assunto, sem entrar em polêmica. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOperação Abafa Amazônia 2020
Próximo artigoSó 30% das crianças receberam vacina contra paralisia infantil em Cuiabá