Governador diz que reajuste para comissionados será mais econômico para MT

Lei aprovada pela ALMT define que 60% dos cargos comissionados sejam ocupados por servidores de carreira

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O governador de Mato Grosso Mauro Mendes (DEM) defende que o projeto de lei complementar (PLC 24/20), que foi aprovado em segunda votação na noite desta quinta-feira (14), promoverá mais eficiência e economia no serviço público.

A polêmica Mensagem 50 criou alguns embaraços entre parte dos parlamentares que considera “imoral” reajustar salários de servidores com cargo em comissão, em momento de crise financeira.

Por outro lado, o governador afirma que o projeto corrige uma situação que vem ocorrendo no funcionalismo público estadual, que é o desestimulo a servidores de carreira em assumir cargos comissionados, porque a gratificação é pouco atrativa.

Mauro cita como exemplo o diretor do Detran e do Intermat – que ganham cada um R$ 7 mil por mês. Com a nova lei, esses cargos, assim como outros de primeiro escalão, vão ganhar uma gratificação que equivale a 70% do DGA1 – que equivale a R$ 18,2 mil. Com isso, a gratificação será de R$ 12,7 mil.

A legislação aprovada com 13 votos favoráveis – tanto na primeira quanto na segunda votação nesta semana – estabelece que os ocupantes de cargos em confiança como diretores, comandantes e demais funções recebam também 70% do DGA-2, assim como passara a ocorrer com o DGA1.

Já os de DGA 3 a 6 terão uma gratificação de 80%, enquanto que os de DGA 7 a 10, gratificação de 90%, conforme tabela abaixo.

Anexo Projeto de Lei 24 de 2020, aprovado pela ALMT

Outra regra criada pela lei é que 60% dos cargos comissionados sejam ocupados por servidores de carreira.

“Hoje muitos servidores estão se recusando assumir esses cargos, porque não compensa para eles. Eles recebem um percentual muito pequeno. E aí tem que trazer um cara de fora, inexperiente, que não conhece a máquina pública, para assumir a gerência de uma área e ganhar R$ 1,8 mil”, defende o governador.

Mauro chega a dizer que existe irracionalidade na atribuição de alguns cargos em comissão. “Se colocar uma pessoa para ser gerente de fundos fiscais na Sefaz – que ganha mais de R$ 20 mil de salário – ele vai ter como gratificação R$ 1,8 mil. Como é que um fiscal vai assumir essa gerência para ganhar só isso a mais? Sendo que não tem hora extra, tem que trabalhar até mais tarde, além de final de semana”, questiona.

Conheça os valores de cada DGA praticado em Mato Grosso:

Tabela DGA praticado em Mato Grosso (Fonte: Lei Complementar nº 520, de 26 de dezembro de 2013)

O governador ainda criticou parlamentares que se colocaram contrários ao projeto. “É fácil quando alguns deputados dizem que isso é um absurdo, mas o assessor dele que não faz vírgula nenhuma ganha R$ 15 mil, enquanto o presidente do Detran que está fazendo um belo trabalho ganha R$ 7 mil”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEmpresários repudiam aumento de salários no funcionalismo público de MT
Próximo artigoTeich diz que deixa Ministério com plano de testagem pronto para ser implementado

O LIVRE ADS