Gilmar Fabris tem que dar bens como garantia para usar dinheiro público em campanha

Segundo procuradora, deputado está inelegível por ter sido condenado pelo TJ por peculato

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) decidiu na noite desta terça-feira (4) que o deputado estadual Gilmar Fabris (PSD) tem que entregar uma propriedade como garantia para continuar usando dinheiro público em sua campanha eleitoral. Se o registro de candidatura for negado, esse bem será usado para pagar o valor que ele usar do fundo partidário.

Por 4 votos a 3, a decisão atendeu parcialmente ao pedido do Ministério Público Eleitoral, que impugnou a candidatura de Fabris com base na Lei da Ficha Limpa. O registro de candidatura dele ainda será julgado pelo órgão.

A procuradora regional eleitoral, Cristina Nascimento de Melo, afirmou que o deputado está inelegível por ter sido condenado, 22 vezes por peculato, num total de 6 anos e 8 meses de prisão, em julgamento do Tribunal de Justiça no dia 14 de junho, por desvio de R$ 1,5 milhão da Assembleia Legislativa.

“A população está pagando a propaganda eleitoral de uma pessoa inelegível. É uma candidatura natimorta”, afirmou a procuradora, durante o julgamento. “Ele está no direito de discutir a inelegibilidade e fazer campanha. Mas não há decisão que afaste a inelegibilidade e ele fez a opção por gastar recursos públicos. Se depois o registro de candidatura for negado, o recurso já foi gasto, ele já fez campanha. Hoje ele sabe que é inelegível”, completou.

A maioria dos membros do TRE acompanhou o entendimento da juíza Vanessa Curti Perenha Gasques, que votou para que ele não seja impedido de fazer campanha, mas que entregue à Justiça Eleitoral um bem como caução. Dessa forma, os cofres públicos serão ressarcidos se o registro de candidatura acabar negado. “Ele realizaria todos os atos, só acautelaria o que está evidente no processo”, argumentou a juíza.

Concordaram com ela os juízes Antônio Veloso Peleja Júnior e Luís Aparecido Bortolussi Júnior e o presidente do TRE, o desembargador Márcio Vidal. “O ponto maior é que há uma condenação, o crime é grave, pra quem está querendo ocupar um cargo público é incompatível”, disse Vidal.

Votos contrários

O relator do processo, Ricardo Gomes de Almeida, foi contrário ao pedido do Ministério Público, assim como Ulisses Rabaneda dos Santos e Pedro Sakamoto. “Não julgamos sequer o pedido de registro, como vamos suspender? Estamos presumindo que vamos indeferir o registro?”, questionou Sakamoto.

“Caução é medida cautelar, que visa proteger o processo principal. O que vai ser requerido depois, no processo de registro? Absolutamente nada. Se registro for indeferido, haverá maneiras de ele ressarcir o erário. O contrário é irreversível. Se suspendermos os recursos, quem vai devolver a ele os dias de campanha perdidos?”, disse Rabaneda.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

3 COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCientistas analisam ossos encontrados nos escombros do Museu Nacional
Próximo artigoMansão de Sérgio Cabral fica sem oferta e vai a novo leilão

O LIVRE ADS