Gilmar Fabris no Solidariedade

O deputado estadual Gilmar Fabris estaria de malas prontas para ir ao Solidariedade (SD). A articulação acontece dois dias depois de sua sigla atual, o Partido Social Democrático (PSD), anunciar independência em relação ao governo Pedro Taques (PSDB). (“Independência”, nesse caso, significa rompimento mesmo).

Na quinta-feira, o PSD resolveu colocar à disposição do governador os cargos do secretário de Ciência e Tecnologia (Secitec), Domingos Sávio, do presidente da Empresa Mato-grossense de Pesquisa e Extensão Rural (Empaer), Layr Motta, e do presidente da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (Ager), Eduardo Moura, além dos cargos de escalões inferiores que foram indicados pelo partido.

A ida de Fabris ao SD estaria sendo articulada nos bastidores pelo próprio Taques. A movimentação indica que o PSD pode sofrer uma debandada, perdendo, inclusive, alguns de seus nomes que atualmente ocupam cadeiras no legislativo estadual.

Na Assembleia Legislativa, o PSD ainda conta com os deputados Leonardo Albuquerque (líder do governo), José Domingos Fraga, Pedro Satélite e Ondanir Bortolini, o Nininho. Os cargos de indicação dos parlamentares no governo não foram entregues na decisão da executiva do PSD na quinta-feira.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTJ nega suspensão de licitação do Ganha Tempo em Mato Grosso
Próximo artigoContas externas ficam positivas em fevereiro, mas BC eleva projeção de déficit