Gasto de R$ 76 milhões: PGR dá parecer contrário a auxílio-covid para professores de MT

Augusto Aras concordou com a tese do governo de MT, de que a lei é inconstitucional por vício de iniciativa

(Foto: Freepik)

Procurador Geral da República, Augusto Aras emitiu parecer para o Supremo Tribunal Federal (STF) declarar inconstitucional a Lei 11.157/2020. Aprovada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso, ela instituiu um auxílio emergencial de R$ 1,1 mil aos professores que não tiveram os contratos de trabalho renovados com o governo do Estado durante a pandemia.

No total, 11.176 profissionais seriam beneficiados, o que representaria uma despesa de quase R$ 79,5 milhões.

Após a aprovação pela Assembleia Legislativa, o governador Mauro Mendes (DEM) seguiu parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e vetou integralmente o projeto de lei, sob alegação de vício de iniciativa.

No entanto, em sessão realizada no dia 6 de junho de 2020, os deputados derrubaram o veto, com 16 votos favoráveis e cinco contrários.

LEIA TAMBÉM

O governador Mauro Mendes (DEM), então, ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) junto ao Supremo Tribunal Federal. A relatoria é da ministra Carmen Lúcia, que levará o tema para ser julgado no plenário.

No parecer, o Procurador Geral da República, Augusto Aras, reforça o argumento de inconstitucionalidade por vício de iniciativa, ou seja, como a lei cria despesa obrigatória ao Poder Executivo, só o próprio governo poderia ter feito a proposta de criação dela. A ideia, no caso de Mato Grosso, partiu da Assembleia. Além disso, a lei não é acompanhada de um estudo de impacto orçamentário e financeiro.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSTF mantém decreto do Governo de MT para combate à pandemia
Próximo artigoCultos barrados