Garçon consegue indenização de dono de bar que se omitiu em caso de racismo

Empresário terá que pagar R$ 5 mil ao trabalhador por não ter feito nada diante de um caso de racismo por parte de um cliente

(Foto: Cottonbro / Pexels)

O garçom de um bar de Cuiabá, ofendido por um cliente com expressões racistas, conseguiu na Justiça o direito de ser indenizado em R$ 5 mil pelo dano moral sofrido. A indenização terá que ser paga pela empresa em que ele trabalhava, já que o dono do local se omitiu diante do crime.

As ofensas ocorreram na noite de 27 de janeiro deste ano, quando um cliente do estabelecimento, situado no bairro Duque de Caxias, passou a gritar com o trabalhador, chamando-o de forma pejorativa de “preto”, “mordomo” e dizendo para todos ouvirem: “vem me servir aqui, seu negro”.

O episódio repercutiu nas redes sociais, com dezenas de comentários, e em notícias em sites jornalísticos. Na mesma semana, o garçom foi dispensado do emprego.

À mercê do cliente

O caso foi parar na Justiça do Trabalho com o pedido de condenação do ex-empregador por ter se omitido diante das injúrias praticadas na presença do responsável pelo estabelecimento, que nada fez para cessar os atos de racismo.

Citada para se defender, a empresa não compareceu à justiça. Foi então reconhecida a revelia e aplicada a pena de confissão ficta, quando se presumem como verdadeiros os fatos narrados pela outra parte (trabalhador), a não ser que haja prova em sentido contrário.

Ao julgar o caso, o juiz Pablo Saldivar, reconheceu que o garçon foi vítima de injúria racial, com violação de sua dignidade. Sem o apoio de seu empregador, o trabalhador ficou à mercê do cliente.

“Ademais, o autor foi dispensado logo após os fatos, quando na realidade deveria ser acolhido e recebido mínimo suporte psicológico de seu empregador”, pontuou o magistrado.

Injúria racial

Reconhecida como crime pelo Código Penal, a injúria racial ocorre quando se ofende a honra de alguém se utilizando de elementos que façam referência à raça, cor, etnia, religião, origem ou condição de pessoa idosa ou com deficiência.

Em regra, a injúria está associada ao uso de palavras depreciativas referentes à raça ou cor com a intenção de insultar a vítima.

O juiz registrou, no

entanto, que apesar de grave a omissão, as ofensas não foram cometidas diretamente pelo proprietário do bar ou seu representante. Desse modo, fixou a compensação em R$ 5 mil pelo dano moral.

O bar também terá de pagar as verbas rescisórias, como aviso prévio, férias, FGTS, multa por atraso na quitação da rescisão e de arcar com o pagamento dos honorários do advogado do trabalhador.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNova variante sem sintomas
Próximo artigoGoverno de MT deixa para os prefeitos decisão sobre cancelar festas de fim de ano