Gaeco prende prefeito suspeito de receber propina de plantões médicos

A apreensão de uma agenda com a "contabilidade" do que era pago fez o empresário contratado confessar o crime

Imagem ilustrativa (Foto: Freepik)

Agnaldo Rodrigues de Carvalho, prefeito de Rondolândia (1.070 km de Cuiabá) foi preso na manhã desta quarta-feira (30) sob suspeita de corrupção. Ele teria recebido propina para celebrar um contrato com a empresa F.M. da S. Santos, que presta serviços de plantão médico no município.

Além do prefeito, a ex-secretária de Saúde, Katia Monteiro, é investigada. O caso é apurado pelo Ministério Público de Mato Grosso.

De acordo com as investigações, o empresário Nélio de Matos Júnior estaria pagando aos médicos vinculados à empresa um valor menor do que o previsto no contrato e a diferença era repassada ao prefeito e à ex-secretária.

Em agosto, durante cumprimento de mandados de busca e apreensão, foi encontrada com Nélio uma agenda com a “contabilidade” da propina paga, assim como comprovante de depósito.

O dinheiro seria repassado a terceiros indicados pelo prefeito e pela ex-secretária.

Agnaldo Rodrigues de Carvalho, prefeito de Rondolândia (Foto: Reprodução)

Segundo o delegado Rodrigo Azem, depois da apreensão, o empresário resolveu confessar o esquema criminoso.

“Ele não teve como negar que pagava a propina desde o início do contrato”, afirmou.

Quando os mandados de busca e apreensão foram cumpridos, ainda de acordo com o delegado, o prefeito fugiu da cidade. Na casa dele foram apreendidos, não apenas documentos, mas também armas e munições irregulares.

Agnaldo Rodrigues de Carvalho foi preso preventivamente. A intenção, conforme descrito na ordem judicial, é evitar que novos crimes sejam cometidos e que as investigações sejam atrapalhadas.

O inquérito policial deve ser encerrado com o interrogatório do prefeito e de outras pessoas suspeitas de estarem envolvidas no esquema. Depois disso, dentro de 15 dias, uma denúncia criminal deve ser apresentada perante o Tribunal de Justiça.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPF interdita mais de 70 empresas e bloqueia R$ 730 milhões de facção criminosa paulista
Próximo artigoApós o #fiqueemcasa, desemprego bate recorde no Brasil