Gaeco desarticula esquema operado sob disfarce de marketing multinível

Acusados usavam um sistema conhecido como "pirâmide financeira" e geraram prejuízo estimado em milhões

(Foto: Reprodução / MP-MT)

O Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado de Mato Grosso (Gaeco-MT) realiza nesta terça-feira (10) a operação “Easy Money” (dinheiro fácil) com cumprimento de 17 ordens judiciais, incluindo mandados de prisão preventiva, busca e apreensão domiciliar e sequestro de bens, com alcance em cinco estados da Federação.

A iniciativa tem como alvo organização criminosa investigada em razão de suposto esquema fraudulento conhecido como “Pirâmide Financeira”, operado sob o disfarce de marketing multinível, relacionado à prestação de serviços de aplicação no mercado financeiro.

De acordo com as investigações, as ações do esquema piramidal eram realizadas por meio da empresa King Investimentos, posteriormente chamada de King-Bentley e King Prime, com sede em Rondonópolis-MT, e renderam ao grupo lucro de milhões de reais, em prejuízo de inúmeras pessoas enganadas em diversos locais do país. Indícios apontam para a prática de crimes de lavagem de dinheiro e contra a economia popular.

A operação, fruto de investigação realizada no âmbito do Procedimento de Investigação Criminal (PIC) nº 01/2019, tem o apoio operacional da unidade do Gaeco em Rondonópolis (MT) e dos Gaecos de São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Alagoas. Na cidade mato-grossense deverão ser cumpridos mandados de prisão e busca e apreensão.

O Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) é integrado por membros do Ministério Público Estadual (MPMT), da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso (PJC-MT) e da Polícia Militar (PM-MT).

(Informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEnfim, de volta aos picadeiros: o que fizeram os artistas de circo durante a pandemia?
Próximo artigoCuiabá e VG: três escolas estaduais suspendem as aulas por conta da covid