Future-se: reitora e ex-reitores da UFMT apontam falta de diálogo do governo

Conforme os gestores, a UFMT já realiza parcerias público-privadas, cuja arrecadação representa 0,01% do orçamento global

Em meio à crise financeira na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), que teve o fornecimento interrompido por falta de pagamento na última terça-feira (16), o Ministério da Educação lançou um programa de reestruturação do financiamento do ensino superior público.

Conforme a proposta, o governo federal pretende ampliar a participação de verbas privadas no orçamento universitário. Isso implicaria parcerias público-privadas, cessão de “naming rights” de campi e edifícios, além da criação de fundos patrimoniais.

De acordo com o MEC, a intenção do programa intitulado “Future-se” é financiar pesquisa, inovação, empreendedorismo e internacionalização das instituições de ensino. A adesão ao programa, no entanto, deverá ser opcional.

Na data do anúncio, a reitora Myriam Serra afirmou, durante coletiva de imprensa para esclarecer o corte de energia, que ainda não considera a medida uma solução para o déficit financeiro da Universidade, que, com a expansão dos cinco campi, triplicou, por exemplo, o consumo de energia elétrica.

“[O programa] ainda é muito confuso. Há uma intenção de que esse modelo pode não ser obrigatório, mesmo assim nós estamos preocupados”, afirmou Myriam Serra. “Nós fomos chamados para assistir à apresentação [do programa] e não para discutir o formato”, complementou.

Desde o anúncio do contingenciamento de 30% do orçamento das universidades federais, a administração da UFMT vem alertando que só conseguiria pagar as contas até este mês de julho.

Após autorização de um repasse do MEC no valor de R$ 1,8 milhão, a energia foi paga, mas a reitora afirma que a UFMT não teria mais “um centavo” para honrar compromissos com fornecedores.

Paulo Speller, ex-reitor até 2008

Future-se: “sem diálogo e solução”

A reitora afirmou ainda que aguardaria uma posição oficial da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) que, atualmente, tenta entender o que o programa representa, de fato, para as universidades.

Conforme vem sendo divulgado pela imprensa desde então, as dúvidas vão desde os requisitos e contrapartidas para participar, até o papel que será desempenhado pelas organizações sociais (OS).

Para o ex-reitor da UFMT Paulo Speller, o programa apresentado pelo MEC não prevê nada novo em relação às parcerias público-privadas, ao menos na UFMT.

“O que o governo precisa priorizar é, primeiro, o diálogo com as universidades e a Andifes; segundo, o descontingenciamento do que já está contingenciado; e terceiro, o respeito à autonomia da universidade, porque só assim ela poderá avançar”, afirmou Speller, que esteve à frente da gestão da UFMT até 2008.

A proposta passa por consulta pública na internet até o dia 15 de agosto.

Reitora Myriam Serra (Foto :Ednilson Aguiar/ O Livre)

Terceirização: “mais ônus que rendimento”

Conforme dados apresentados por Myriam Serra durante a entrevista coletiva, atualmente o investimento privado com projetos de pesquisa e extensão representa apenas 0,01% do orçamento total da UFMT.

“Isso é ínfimo para a sobrevivência da universidade. Talvez as instituições de outras regiões até tenham condições de fazer parcerias público-privadas de maneira diferente. A gente [Mato Grosso] não tem uma cultura de investimento privado na produção do conhecimento”, destacou.

Para ela, políticas que propõem a terceirização de funções ou serviços tem mais ônus que rendimento para a UFMT.

“A privatização, ou terceirização, tem um ônus muito grave para a universidade. Do nosso orçamento global, 96% é com pessoal – servidores aposentados, ativos e terceirizados. Com os cargos [concursados] sendo extintos, a meu ver, o que nós pagamos hoje de pessoal terceirizado é o recurso que poderíamos ter para ensino, pesquisa e extensão, que são contemplados com verba de custeio”, afirma.

Maria Lúcia, ex-reitora até 2016 (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Falta cultura de investimento

Assim como Myriam Serra, a ex-reitora Maria Lúcia Cavalli Neder também apontou a falta de uma cultura de investimento por parte de empresas mato-grossenses no desenvolvimento de programas com a universidade.

“O financiamento geralmente é para pesquisa e não ensino. As empresas pedem uma resposta muito rápida e a universidade tem um ritmo mais responsável. Mas nós já desenvolvemos programas com a iniciativa privada, a universidade já faz isso há muito tempo, mas não é um volume muito grande em razão de uma ‘não-cultura’”, afirma Maria Lúcia.

A professora, que esteve à frente da UFMT até 2016, confessa que, diante da maior “característica econômica de Mato Grosso ser o agronegócio, “a canalização de investimento nessa área é, naturalmente, bem maior”.

“Todas as vezes que o governo retira sua responsabilidade pelo financiamento da educação é perigoso. Tem área do conhecimento em que a iniciativa privada não tem interesse é o Estado quem tem que bancar. E a universidade tem que ser pública, gratuita e obviamente, atender às demandas sociais, o financiamento tem que ser público”, complementa a ex-reitora.

Ministro da Educação, Abraham Weintraub – Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMahershala Ali ligou para Kevin Feige e pediu o papel de Blade
Próximo artigoSolidão do poder é falta de lealdade ao povo, diz Bolsonaro

O LIVRE ADS