Furtado pela terceira vez, CVV pede ajuda: “Precisamos de segurança e de doações”

Funcionando no centro de Cuiabá, CVV é alvo de bandidos que vivem pela região

Foto: Arquivo Pessoal

O Centro de Valorização à Vida (CVV) foi, mais uma vez, alvo de bandidos na madrugada da última sexta-feira (1º). Este é o terceiro furto sofrido neste ano pela sede do grupo em Cuiabá.

A falta de segurança fez com que os voluntários se reunissem no domingo (3) e decidissem, segundo o presidente da entidade mantenedora do CVV, a Fraternidade de Apoio à Vida (FAV), Alessandro Bello, tentar reforçar a segurança da sede com concertina, já que com cerca elétrica não houve efeito.

“Aquela região do centro de Cuiabá é muito perseguida, são muitos moradores de rua, pessoas que estavam na Ilha da Banana, Morro da Luz, Beco do Candieiro, muitos usuários de drogas, são pessoas moradoras de rua que acabam perturbando toda a região”, lamentou Bello.

Invasão

O novo furto aconteceu entre a noite da quinta-feira (30) e a madrugada da sexta-feira (1º). Os ladrões usaram a mesma estratégia dos roubos anteriores: pularam o muro de uma casa abandonada ao lado do posto do CVV, na Rua Comandante Costa, no centro de Cuiabá.

Com o acesso pela casa abandonada, eles entraram no terreno do CVV e arrombaram as portas da sede.

Já no local, furtaram botijão de gás, alimentos, um kit multimídia da sala de palestras, cursos e treinamentos e, como das outras vezes, bagunçaram tudo.

Além do prejuízo com as coisas levadas, há ainda o deixado pelos danos, visto que os ladrões quebraram vidros, entortaram todas as portas e arrombaram as fechaduras.

Dificuldades

Agora, mais uma vez os voluntários precisam se desdobrar para realizar todos os consertos e reequipar a sede, que é exclusivamente mantida por eles e por alguns poucos doadores.

“A gente precisa de doação. Nossas despesas do posto físico estão em torno de R$ 2 mil, a gente precisa pagar o telefone, a franquia, água, luz. Na verdade o voluntário do CVV paga para ser voluntário”, relatou Alessandro Bello.

Segundo ele, a quarentena devido à pandemia de coronavírus, além de quadruplicarem as ligações para o CVV, ainda fizeram com que a ajuda financeira recebida pela entidade diminuísse.

“As doações caíram com a pandemia e o nosso atendimento não parou. A gente continua fazendo atendimento no posto e as pessoas que estão no grupo de risco tem a opção de fazer atendimento em casa, virtual”, contou.

Quem quiser ajudar financeiramente pode entrar em contato via e-mail pelo [email protected], ou doar diretamente na conta da entidade mantenedora do CVV:

Banco do Brasil
FAV  – Fraternidade de Apoio à Vida
Ag: 3325-1
C/C: 128.437-1
CNPJ: 26.812.776/0001-08

LEIA TAMBÉM:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorControle de público
Próximo artigoNada de festinha: prefeito estabelece multa de R$ 20 mil para quem furar a quarentena