Funcionamento das empresas aos domingos e feriados

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Por Carla Leal e Fernanda Brandão*

Em agosto deste ano, houve a publicação da Portaria n.º 19.809 da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho sobre o trabalho aos domingos e feriados. Na prática, a Portaria aumentou de 78 para 91 atividades com permissão para funcionamento aos domingos e feriados, independentemente de negociação coletiva.

Dentre os segmentos autorizados a funcionar aos domingos e feriados, há, exemplificativamente, a indústria de beneficiamento de grãos e cereais, a indústria de equipamentos médicos, hospitalares, odontológicos e de laboratórios, a indústria de carnes (à exceção dos serviços de escritório), o teleatendimento e telemarketing, as atividades bancárias de caráter excepcional, as agências de turismo, as áreas de tecnologia, a indústria do malte (à exceção dos serviços de escritório), uma amplitude muito grande.

Além dessas, há outras atividades que recentemente foram reconhecidas como essenciais pelo Governo Federal, tais como:  salões de beleza e barbearias, construção civil, unidades lotéricas e academias de esportes de todas as modalidades. Apesar disso, as previsões da Constituição Federal, da CLT e da Lei n.º 605/49 sobre este assunto permanecem inalteradas, garantindo ao trabalhador um repouso semanal remunerado de 24 horas, preferencialmente aos domingos, e folga nos feriados civis e religiosos, excetuando-se os casos de conveniência pública ou de necessidade imperiosa do serviço.

Para garantir este direito, há ainda uma lei específica que determina que os trabalhadores do comércio terão que coincidir o repouso semanal remunerado com, pelos menos, um domingo a cada três semanas.

Isso ocorre porque o repouso semanal é um direito do trabalhador para garantir a sua saúde, possibilitando também o convívio familiar e social, já que, via de regra, os membros da família também descansam no domingo.

Frisa-se que, quando não for possível concessão do descanso em uma determinada semana, na subsequente necessariamente terá que ser usufruída a folga compensatória sob pena de pagamento deste dia trabalhado (sem folga) em dobro (OJ 410 SBDI-I do TST).

Esse raciocínio também se aplica aos feriados. Isto é, sempre que o empregado trabalhar nessas datas e não usufruir da respectiva folga, na semana subsequente, o pagamento deverá ser feito em dobro. Todavia, é claro, isso sem prejuízo de aplicação de de acordo ou de convenção coletiva da categoria que estipule um percentual ainda maior.

Apesar de entidades relacionadas aos empregadores, a exemplo da FIESP (Federação das Indústrias de São Paulo), terem comemorado a publicação da Portaria ampliatória editada pelo Governo Federal, o Deputado Federal Luiz Carlos Motta (Partido Liberal) apresentou projeto de Decreto Legislativo que visa sustar a aplicação das Portarias do Governo Federal que autorizam o trabalho aos domingos e feriados em determinados seguimentos por entender que tais atos autorizam quase a totalidade de setores a funcionar, dispensando a negociação coletiva com os sindicatos representativas da categoria, tornando, portanto, a exceção do trabalho aos domingos e feriados uma regra.

Na fundamentação do projeto de Decreto Legislativo, o Deputado argumenta que as regras previstas nas portarias ministeriais vão de encontro ao disposto na legislação vigente e contrariam recentes manifestações do Congresso Nacional que vetaram essa ampliação quando apreciou medidas propostas pelo Poder Executivo, sendo que o Governo estaria extrapolando o seu poder regulamentar, substituindo o legislador.

Assim, apesar de as Portarias permanecem vigentes, estas podem ser objeto de impugnação perante o Judiciário, ou mesmo serem sustadas por meio do Decreto Legislativo mencionado. Reconhece-se que isto aumenta a insegurança jurídica para trabalhadores e empregadores, o que é indesejado, principalmente em momento de enfrentamento de pandemia, como este que vivemos.

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

* Esta coluna foi elaborada por Carla Leal e Fernanda Brandão, membros do grupo de pesquisa sobre meio ambiente de trabalho da UFMT, o GPMAT.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSalles no Pantanal
Próximo artigoSeja um dos primeiros a adquirir o novo Ford Territory