Fraude em ata: Mauro e Wellington tentam barrar candidatura de Taques

Advogado diz que tudo ocorreu “debaixo do nariz” de Taques e é “escalafobético” ele alegar que não sabia de nada

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O governador Pedro Taques (PSDB) teve a candidatura à reeleição questionada por dois adversários. As coligações “Pra mudar Mato Grosso”, que tem Mauro Mendes (DEM) como candidato ao governo, e “A força da união”, de Wellington Fagundes (PR), entraram com impugnação no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), na quarta-feira (22). As impugnações ainda serão avaliadas pelo TRE, que julgará todos os registros da candidatura.

As duas coligações usaram o mesmo argumento de que houve fraude na ata que alterou a chapa de Taques nas eleições de 2010, quando ele se elegeu senador e, com base nisso, pediram que o registro de candidatura do tucano deste ano seja negado.

Os advogados de Mauro Mendes afirmaram que não é possível que Taques não soubesse da fraude, e que alegar isso é “escalafobético” e “cegueira deliberada”.

“Tudo ocorreu, no bom português, debaixo de seu nariz, como bem demonstrado no voto do digno Relator da AIME nº. 7-94, Dr. Ulisses Rabaneda dos Santos, cujo voto não prevalece porque a maioria dos julgadores entendeu pela perda do objeto em razão da renúncia ao cargo de Senador para assumir o de Governador”, diz trecho da impugnação, que sustenta que a chapa é “una e indivisível” e Taques não poderia ter ficado de fora da punição.

Em julgamento no dia 31 de julho, o TRE concluiu que houve fraude na ata e cassou apenas o mandato do primeiro suplente, José Medeiros (Podemos), determinando a diplomação de Paulo Fiúza como primeiro suplente. No entanto, o TRE decidiu que a condenação pela fraude não poderia atingir Taques, porque ele renunciou ao mandato em 2014 para disputar o governo, de modo que o processo perdeu o objeto com relação a ele.

Os advogados de Wellington Fagundes também afirmaram que Taques está inelegível, pois a fraude na ata “afetou a normalidade das eleições e a legitimidade do mandato” e disseram que o mandato questionado foi o do titular da chapa, e não de um suplente, que foi o único punido.

“Após 7 anos de tramitação a impugnação foi julgada procedente, reconhecendo a existência de fraude na ata que deliberou sobre a substituição de suplente, violando a regularidade do pleito eleitoral […] O mandato impugnado não foi o do primeiro ou o do segundo suplente e, sim, o do titular José Pedro Taques, hoje candidato ao cargo de Governador do Estado de Mato Grosso”, afirmaram na impugnação.

Outro lado – Atualizada às 16h36

A assessoria de Taques enviou uma nota negando que o candidato esteja inelegível.

O coordenador jurídico da Coligação Segue em Frente Mato Grosso, José Antônio Rosa, afirma que os candidatos Mauro Mendes (DEM) e Wellington Fagundes (PR) estão protocolando diversas representações contra o candidato à reeleição Pedro Taques (PSDB) para criar fatos políticos e induzir a população a acreditar que existem irregularidades na candidatura de Taques.

Com relação ao pedido de impugnação em decorrência da cassação do mandato de José Medeiros, que havia assumido o cargo senador quando Taques foi eleito ao Governo em 2014, o próprio Tribunal Regional Eleitoral já isentou o governador de qualquer responsabilidade. Conforme o advogado, as representações feitas pelos adversários não têm fundamento jurídico e isso será demonstrado durante o contraditório.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFilmado por Silval, Baiano diz que operações pesaram em desistência de candidatura
Próximo artigoSenai: eficiência energética exigirá especialização de trabalhadores