Fórum Agro MT: pela união do setor

Novo presidente do Fórum Agro MT, Itamar Canossa escreveu sobre momento do setor produtivo

Foto: Daniel Meneguini

Quando questionado por uma jornalista sobre qual sua mensagem para o mundo, o recém-empossado Joe Biden respondeu: União. Independentemente de opiniões, de partidos, preferências políticas ou ideologias, a união é tema de urgência mundial. Precisamos de menos polarizações. É chegada a hora de virar a página. É chegada a hora da busca pelos ideais comuns.

O ano que se encerrou há pouco foi um período de pontos e contrapontos em que, muitas vezes, optou-se pela divergência nos debates, deixando de lado os pontos nos quais poderia se avançar e privilegiou-se aquilo que travava o andamento da vida. Foi um período acirrado de polarização com uma guerra entre o “nós” e o “eles”. Como saldo tivemos um ano de poucos avanços.

Mas, como dito, é hora de virar a página. É hora de se observar o que há de metas comuns e trabalharmos por elas.

Para isso existe, no setor agropecuário, o Fórum Mato-Grossense da Agropecuária. Ou, resumindo, o Fórum Agro MT. É uma instituição composta pela ACRIMAT (criadores de gado), ACRISMAT (criadores de suínos), AMPA (produtores de algodão), APROSMAT (produtores de sementes) e FAMATO (a Federação da agricultura e pecuária), que visa defender as pautas comuns do setor em Mato Grosso.

O Fórum Agro MT, embora exista já há muito tempo, foi devidamente institucionalizado no ano de 2018, quando de seu registro em cartório, à época sob o comando do presidente da FAMATO, Normando Corral, que o coordenou por dois mandatos. Nesse período houve uma série de avanços para o setor. O mais importante deles foi a promoção da rotina dos debates nas reuniões da diretoria. Por meio desses debates pudemos traçar linhas de ação para que o setor se posicionasse juntos aos órgãos do Estado.

No dia 25 do mês de janeiro fui eleito com a missão de dar continuidade aos trabalhos do Fórum Agro MT, de manter o bom relacionamento do setor agropecuário com as instituições do Estado e, sobretudo, de manter a união que já destaquei como sendo de importância crucial para os avanços da produção em Mato Grosso.

E recebi a incumbência de coordenar os trabalhos do Fórum Agro MT pelos próximos dois anos, justamente em um momento em que bate à porta a proposta do zoneamento socioeconômico ecológico. Assim, logo na primeira reunião por mim presidida, o colegiado opinou pelo agendamento de uma conversa com os deputados estaduais, que foi estendida para outras federações e para representantes dos municípios mais afetados pela proposta, notadamente os das regiões do Araguaia e do Guaporé.

A união se faz necessária. O setor sabe disso. Os parlamentares também. Por isso compareceram na reunião os deputados Dilmar Dal Bosco, Carlos Avallone, Janaina Riva, Dr Eugênio, Xuxu Dal Molin, Valdir Moretto, Nininho e Max Russi. A presença maciça da Assembleia Legislativa mostra que a proposta do zoneamento é preocupante, mas mostra, sobretudo, que nossa busca pelo alinhamento, pelo bom debate e pela transparência nas ações estão de acordo com o pensamento da Casa Legislativa.

A proposta do zoneamento em estudo é, assim como a apresentada no passado, estranha à realidade. Mostra um Estado de Mato Grosso não condizente com os números que o agro produz. Promove um atraso histórico para o Estado propondo, inclusive, um entrave para a política de logística do país quando cria unidades de conservação em locais já amplamente produtivos e antropizados e que fazem parte do projeto de expansão da malha ferroviária nacional.

Somos favoráveis a que haja uma política de proteção ao meio ambiente e acreditamos que a existente, que protege margens e nascentes de rios, que determina a manutenção de 80% de áreas de floresta, dentre outras tantas obrigações, cumpre bem seu papel. Há que se exigir sua efetividade. Mas isso não se resolve criando mais embaraços ao setor.

E é por isso que a união nos importa. Somente juntos poderemos mostrar, de fato, que o setor agropecuário é fundamental para a existência. Somente juntos poderemos mostrar que o setor cumpre as normas ambientais. Juntos somos capazes de mudar uma narrativa anacrônica que mostra o setor como sendo o mesmo de um passado distante, que não conhecia as necessidades ambientais e que tinha práticas que há muito estão superadas.

A agropecuária de hoje é uma atividade tecnológica, moderna, com o mínimo de impacto e como resultados grandiosos.

Para isso estamos aqui: para mostrar, unidos, que o setor agro produz e também preserva e protege.

Itamar Canossa
Presidente do Fórum Agro MT
Presidente da ACRISMAT

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEstado inicia distribuição de vacinas para idosos com mais de 90 anos
Próximo artigoProjeto extingue cobrança do Detran