Fornecimento de gás está suspenso há cinco dias em Cuiabá

Interrupção foi causada pela explosão de gasoduto em Nossa Senhora de Livramento e já afeta postos de combustível

(Foto: Jcomp - br.freepik.com)

O fornecimento de gás está interrompido a Cuiabá por causa da explosão da tubulação em Nossa Senhora do Livramento (42 km de Cuiabá), no sábado (30). A informação foi confirmada ao LIVRE pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec), nesta sexta-feira (5). 

A interrupção foi informada pela empresa Âmbar Energia no começo desta semana. Conforme a Sedec, o duto teve que ser esvaziado como medida para adiantar o serviço de reparação de 10 metros de tubulação destruídos na explosão. 

A suspensão já afeta o fornecimento em postos de combustíveis hoje. A gerência de um posto disse que o último abastecimento foi realizado no domingo (31) e a previsão é que seja restabelecido apenas na próxima semana. 

Cerca de 3,5 mil carros movidos a gás já circulam por Cuiabá. Eles respondem por 60% do consumo na Capital.

Sedec informou que três postos de combustível recebem 80 mil metros cúbicos ao mês e outras cinco indústrias recebem 100 mil metros cúbicos no mesmo intervalo. O desabastecimento dos postos se deveria à limitação técnica. 

“Nenhum tem booster em operação, [por isso] não foi possível estocar para a operação de GNV em automóveis. Os veículos convertidos poderão circular normalmente, com abastecimento de etanol ou gasolina”, diz trecho da nota. 

Quanto às indústrias, a secretaria informou que todas realizaram armazenamento para se manterem abastecidas durante o período de reparo. Ainda de acordo com a Sedec, a Âmbar Energia pediu de 7 a 10 dias para restabelecer os serviços. Esse prazo teria começado a valer na segunda-feira (1º). 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLula quer Haddad como candidato do PT à presidência em 2022
Próximo artigoAssentamento de MT está se transformando no “reino” do alface