Forças policiais de Lucas do Rio Verde deflagram Operação Impacto II

A primeira fase da operação foi deflagra na sexta-feira (14) e 11 mandados de prisão foram cumpridos

Foto: Assessoria

A Polícia Civil e Militar de Lucas do Rio Verde (330 Km de Cuiabá), deflagraram a segunda fase da Operação Impacto, na manhã desta quarta-feira (19), que visa cumprir mandados de prisão ligados a homicídios e tráfico de drogas no município.

A força tarefa acontece desde as 6h da manhã, até o momento a prisão de três pessoas ligadas a homicídios já foi confirmada e até o fim do dia, os policiais pretendem cumprir mais 3 mandados de prisões e 18 de busca e apreensão.

Segundo os policiais, com um dos suspeitos detidos foi encontrado um revólver calibre 38 e 18 munições intactas, ele deve responder por posse ilegal de arma de fogo, além de outros crimes não divulgados.

A primeira fase da operação foi deflagrada na sexta-feira (14) e 11 mandados de prisão foram cumpridos em uma ação conjunta entre a policia Federal, Militar e Civil. Um helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) auxiliou na operação.

Na ocasião o delegado Daniel Neri ressaltou que a operação é fruto de muita investigação e enalteceu a parceria entre as forças policiais.

“Essa operação é fruto de uma intensa investigação, de levantamentos de mesas, e essa parceria entre as forças policiais tem feito a diferença na cidade, hoje contamos com parceria entre nós (Civil), a PM e o Ciopaer, contamos com a Polícia Rodoviária Federal, que imagino que daqui para frente será uma constante”, pontuou o delegado.

Veja mais: Forças policiais deflagram operação para cumprir 11 mandados de busca e apreensão em Lucas do Rio Verde

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorImpunidade: Defesa de Lula pede liberdade após decisão do Supremo
Próximo artigoMP Eleitoral abre investigação contra Neri Geller por abuso de poder econômico