Filme sobre racismo produzido por equipe negra estreia nesta 5ª em Cuiabá

"Como Ser Racista em 10 Passos", com trilha sonora de Karol Conka, Preta Rara, Pachana e Costak, provoca e denuncia

Dez formas de racismo, em dez situações normalizadas no cotidiano, explicitadas e denunciadas no novo curta-metragem produzido em Cuiabá, será lançado nesta quinta-feira (02). Como Ser Racista em 10 Passos será exibido, às 19 horas, na sessão Afrocine, produzida semanalmente pelo Coletivo de Audiovisual Negro Quariterê, no Cineclube Coxiponês da UFMT.

O filme é dirigido e roteirizado pela carioca pau-rodada Isabela Ferreira, acompanhada de uma equipe de realizadores negros. Baseado em histórias fortes e reais, visibilizadas pelas lentes e edição de Rodolfo Luiz, direção de arte e produção de Anna Maria, som direto e design gráfico de Gabriel Oliveira. A produção executiva é de Neto Costa.

“Éramos cinco. Duas meninas e três meninos. Matematicamente, pode não parecer bem equilibrado, mas não se engane. A gente encontrou o equilíbrio perfeito nas diferenças, e aprendemos muitas coisas um com o outro. A troca de informações entre pessoas diferentes, porém unidas pela cor da pele, é uma coisa linda de se ver. Existe humildade, respeito, e ambição sim, porque apesar das diferenças, tínhamos em mente que o preto é gigante, e ele deve ter em mente que ambição não é exclusividade de branco. Pode sonhar sim!”, relatou Gabriel em A melhor equipe do mundo é PRETA.

O enredo de ficção, desenvolvido em cerca 13 minutos, partiu de uma disciplina do curso de Rádio e TV da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Produzido de forma independente, para além da academia, o filme é embalado pelos artistas nacionais e regionais, como Karol Conka, Preta Rara, Pachana e Costak, que compõem a trilha sonora.

“Como Ser Racista em 10 passos é um curta provocativo. Traz à tona e confronta  o racismo estrutural velado,  através de situações sensíveis, normalizadas e naturalizadas que serão facilmente identificadas pelo público. O filme mostra a realidade cotidiana de pessoas negras comumente afetadas pelo racismo enraizado, por atitudes que vão além do verbalmente dito. O racismo é real e precisa ser discutido”, convida a sinopse.

A propósito, os realizadores estarão presentes na sessão para debater a temático e os desafios da produção audiovisual independente.

Na ocasião, também serão exibidos os curtas Caixa D’Água – Qui-Lombo é Esse? (2013), documentário de Everlane Moraes sobre o bairro Getúlio Vargas de Aracaju (SE) – com ênfase à cultura negra e à presença do negro escravo e seus descendentes – e Quintal (2018), sobre um casal de idosos de Contagem (MG) – pais do diretor André Novais – exibido pela primeira vez na prestigiosa Quinzena dos Realizadores, evento paralelo do Festival de Cannes.

Tá curioso para saber mais sobre o curta-metragem? A diretora e roteirista Isabela Ferreira explica:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSeletivas para duelo estadual de rap começam no dia 16 na Batalha da Alencastro
Próximo artigoAos 50 anos, Big Mac segue insuperável

O LIVRE ADS