Filhos melhores para o mundo? Especialista cita vantagens da educação ambiental desde a infância

As lições aprendidas transformam-se em valores perenes

A devastação provocada pelo incêndio no Pantanal e demais biomas em Mato Grosso colocam em evidência a importância da educação ambiental desde as primeiras fases de aprendizado. Cerca de 20% do território do Pantanal já foi devastado pelo fogo. Mas seria possível evitar que novos episódios catastróficos como o vivenciado este ano?

Para a psicopedagoga Ivete Barros a resposta é “sim”. E tudo depende de uma boa educação ambiental a partir da primeira infância, que vai do nascimento aos seis anos de idade.

Quando tratamos sobre educação ambiental com as crianças, promovemos a criação de valores perenes como respeito à natureza, com a fauna e flora, a cidade, nossa casa e os locais que frequentamos”, afirma a especialista.

Educandário Jardim das Goiabeiras tem uma mini fazenda com plantas e animais. Foto: (Divulgação/Educandário Jardim das Goiabeiras)

Ivete explica que as crianças devem ser educadas para um comportamento pró-ativo. “Isso significa criar habilidades que contribuam para o discernimento de que atitudes ruins para o meio ambiente resultam em coisas ruins para nós, porque todos somos parte de um mesmo organismo vivo chamado planeta Terra”.

Essa forma de educar tem dado resultado e a psicopedagoga conta que já colheu relato de pais que chegaram a ser corrigidos pelo filho porque jogaram lixo pela janela do carro e tiveram que dar a volta para recolher a embalagem da rua, porque o pequeno começou a chorar em ver a cena e a dizer para o pai que aquilo era errado.

“Esse tipo de relato aponta que os valores estão sendo consolidados e uma nova geração mais consciente está sendo formada”.

Cuidar dos animais ensina o aluno a ter responsabilidade e carinho pelos bichos. Foto: (Divulgação/Educandário Jardim das Goiabeiras)

A frente do Educandário Jardim das Goiabeiras, em Cuiabá, que atende crianças a partir dos quatro meses de idade até ao 3º ano do ensino fundamental, Ivete conta que o espaço possui uma “mini fazendinha”, que contém animais de pequeno porte como coelho e tartaruga, além do cultivo de hortaliças.

O local é utilizado para que os alunos tenham contato pedagógico com o meio ambiente e, dessa forma, aprendam valores como: cuidado, responsabilidade e convívio amigável com os animais e a natureza. “É assim que vamos criar futuros adultos conscientes e com responsabilidade ambiental e social”, defende a especialista.

LEIA TAMBÉM

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPátio vê ação política e pede investigação contra promotora de Justiça
Próximo artigoUm “pequeno” detalhe desapercebido?