Feridas que não cicatrizam podem ser um indicativo do câncer de boca

Na busca pelo diagnóstico precoce do câncer de boca, o cirurgião-dentista é um dos principais aliados

(Foto: Andrea Piacquadio / Pexels)

Feridas na boca que não cicatrizam, sangramentos, dificuldade em mastigar ou engolir? Cuidado! Esses podem ser alguns dos sintomas do câncer de boca. A doença que acomete lábios, gengivas, bochechas, céu da boca, língua e assoalho bucal (região embaixo da língua), é a mais comum em homens acima dos 40 anos segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Tendo a maioria dos casos diagnosticados em estágios avançados, o mês de maio, que recebe o laço de cor vermelha, é dedicado a conscientização sobre os fatores de risco, sintomas e a prevenção da doença.

Na busca pelo diagnóstico precoce do câncer de boca, o cirurgião-dentista é um dos principais aliados. “É o dentista que geralmente tem o primeiro contato com o paciente desse tipo de tumor. É ele que examina e investiga a ocorrência de manchas, placas, nódulos, lesões vermelhas e úlceras que não cicatrizam há mais de 15 dias, sintomas de alerta para o câncer”, explica o dentista oncológico e estomatologista da Oncomed-MT, Bernar Benites. O médico alerta ainda que a melhor forma de prevenção é ter uma boa higiene bucal e ir regularmente ao dentista. “A maioria das pessoas acabam não descobrindo doenças como o câncer de boca nos estágios iniciais por não terem o costume de ir ao dentista. As vezes o principal sintoma, que são as feridas que não cicatrizam, pode ser encarado como uma simples afta.”

Diagnóstico e preparação bucal

Após o exame clínico, se identificado alguma alteração, o paciente é encaminhado para realização de exame de biópsia. Esse procedimento consiste na remoção de uma amostra de tecido para análise e é realizado por um dentista, médico de cabeça e pescoço ou cirurgião oncológico. Se diagnosticado o câncer, a equipe médica irá definir o plano de tratamento, mas antes de iniciá-lo o cirurgião-dentista tem outro papel importante: a preparação bucal. “Com o objetivo de minimizar os efeitos colaterais do tratamento, é importante que o paciente faça um bom preparo bucal. Os procedimentos realizados compreendem limpeza, extração de dentes, restaurações, cuidados com as próteses e implantes, entre outros. Esses cuidados podem evitar a mucosite oral, úlceras parecidas com aftas, que podem surgir em função do tratamento, principalmente após as sessões de radioterapia.”

Tratamento

Entre as principais opções de tratamento para o câncer de boca está a cirurgia, radioterapia e a quimioterapia. O médico cirurgião oncológico da Oncomed-MT, Rodolfo Pimentel, explica que as técnicas podem ser realizadas isoladamente ou combinadas dependendo do local e do estágio da doença. “A cirurgia é o primeiro tratamento indicado para esse tipo de tumor. Nesse procedimento, o cirurgião remove a área afetada por meio da ressecção com margem de segurança. É importante lembrar que não há um tratamento padrão, cada caso deve ser analisado individualmente pela equipe médica para a escolha da melhor técnica, visando sempre a cura e o bem-estar do paciente.”

Fatores de risco

O álcool e o tabaco estão entre os principais fatores de risco desse tipo de câncer. “Fumantes e pessoas que consomem bebidas alcóolicas com frequência têm maior chance de desenvolver câncer de boca. Esses produtos possuem substâncias químicas que podem causar desgastes dentários, sangramentos e lesões na estrutura bucal”. O médico esclarece ainda, que além do etilismo e do tabagismo, há outras causas que podem aumentar o risco da doença. “Também há a incidência em pessoas que não fumam e não bebem, esses casos geralmente estão ligados a pré-disposição pelo fator genético e principalmente pela infecção pelo papilomavírus humano (HPV) por meio do sexo oral. Para a prevenção é importante vacinar meninas e meninos antes do início da vida sexual e a recomendação para os adultos é a utilização de preservativo,” reforça o médico.

Equipe multidisciplinar

A atuação de uma equipe multidisciplinar no tratamento de câncer de boca, principalmente em casos diagnosticados de forma avançada é fundamental. “A boca é uma região do corpo que desempenha funções importantes, como a fala, respiração, deglutição, dependendo do tipo de tratamento utilizado o paciente pode ter algumas dessas funções comprometidas, por isso é essencial o acompanhamento por vários tipos de profissionais como dentista, cirurgião oncológico, radio-oncologista, fonoaudiólogo, nutricionista, entre outros. Cada um dentro da sua especialidade cuidará para que o paciente tenha mais qualidade de vida durante o tratamento”, ressalta.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm Cuiabá, Simone Tebet se diz surpresa com a desistência de Doria
Próximo artigoBrigas internas e pouca popularidade: entenda a desistência de João Doria