Feminicídio na pandemia: 74% das vítimas em MT morreram dentro de casa

A maioria esmagadora nunca havia denunciado ser vítima de algum tipo de agressão

Foto: Reprodução

Um dado que não tem nada para ser comemorado. Nesta segunda-feira (8), Dia Internacional das Mulheres, um estudo apontou que mais da metade das vítimas de feminicídio em Mato Grosso morreram dentro de casa.

Os dados são de um relatório técnico produzido pela Superintendência de Observatório de Segurança Pública.

O órgão analisou os 62 casos de feminicídio registrado em 2020. Resultado: em 74% deles, o local do assassinato foi dentro da própria residência da vítima. Nos outros 16%, a via pública foi o local do crime.

Outro dado que chama a atenção é que 79% das vítimas nunca tinham feito um boletim de ocorrência contra o agressor. Apenas 13% tinham registros de ameaça, porte de arma ou vias de fato.

O dado levanta uma questão importante: a denúncia. Secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre Bustamente incentiva que as mulheres procurem a polícia a qualquer sinal de violência.

“É muito difícil qualquer ação para um crime dentro do seio familiar, geralmente de madrugada, sem que alguém possa ouvir, e sem a comunicação da vítima da violência que padecia. Acredito que não é só a violência que está aumentando pela pandemia, mas que as mulheres têm comunicado mais e procurado a polícia”, destacou o secretário.

Violência contra a mulher em MT

A arma branca – facas ou outros meios cortantes – foi o principal meio empregado na prática do crime, 43 mulheres morreram dessa forma. Outras 11 foram mortas por arma de fogo e cinco pela força muscular. Outros três crimes ocorreram por outros meios.

A maioria das mortes foram nos finais de semana, pela madrugada.

As vítimas, em sua maioria, tinham idade de 25 a 45 anos; sendo que 42 casos a motivação para o crime foi passional, seguido por sexual e outros.

A maioria dos assassinatos ocorreram no interior do Estado. Cuiabá registrou cinco casos.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFábio Calmon: TJMT nega retorno do ex-presidente da Ager
Próximo artigoPandemia e o “Mandrake”