“Feitiço pode voltar contra o feiticeiro”, diz cientista político sobre greve

Depois de ter ganhado a simpatia da população, a continuidade da greve - que pode levar ao desabastecimento geral e aumento de preços - pode tornar caminhoneiros em vilões

Fernando Schüler, professor do Insper (Foto: Reprodução/FecomercioSP)

As primeiras consequências da greve dos caminhoneiros não poderiam ter sido melhores para seus organizadores: os governos, em quase todas as esferas, negociaram e toparam as suas reivindicações. Por outro lado, a população recebeu os caminhoneiros com festas em diversas cidades, em clara demonstração de apoio. 

Se até aqui o feitiço foi favorável aos organizadores, essa situação pode mudar para o seu oposto. “Diante da crise que a greve traz para a população e do fato de o governo ter aceitado a maior parte das reivindicações, o movimento entra em vias de resolução”, avalia o cientista político e professor do Insper, Fernando Schüler. “Se a greve continuar, agora o feitiço pode se voltar contra o feiticeiro na medida que a vida cotidiana for impactada mais dramaticamente pela greve”, prossegue. 

Prestes a proferir uma palestra sobre democracia na Universidade de Coimbra, em Portugal, Schüler conversou pelo telefone com o LIVRE. Segundo ele, a greve trouxe alguns questionamentos importantes sobre o atual momento da democracia no Brasil. São eles: o grau de maturidade do governo, a política de controle da exploração de petróleo e o nível da polarização política do país. Confira alguns dos principais trechos da conversa: 

Maturidade 

“Os caminhoneiros escolheram o momento certo para fazer a greve. Quem vai ser contra em pleno ano eleitoral? Isso mostra a enorme infantilidade do sistema politico, que não conseguiu prever o que estava para acontecer. Foi a mais pura incapacidade de fazer uma análise e antever o resultado de uma crise. O fato real é que a paralisação reduz crescimento econômico, reduz a trajetória de queda dos juros, impacta dívida pública e aumenta o déficit primário. A sociedade não percebeu que vai pagar pelas concessões do governo. Não tem almoço grátis”.

Dependência 

“Todo esse movimento, na verdade, começa lá atrás. É consequência de subsídios para aumentar o volume de caminhões e carros circulando. Se (o governo) mantiver o modelo de monopólio estatal na extração do petróleo, talvez faça sentido subsidiar ainda mais os combustíveis. Eu não quero dizer que concordo com esse modelo, porque não concordo. Mas se a sociedade quer manter as coisas como estão, os subsídios vão aumentar e a conta a pagar é da sociedade”. 

Polarização 

“Estou em Portugal agora para falar sobre democracia. Em Portugal, há alguns consensos a mais que no Brasil. No Brasil, temos polarização em diversos temas fundamentais para o avanço político e econômico do país, como a própria questão da exploração do petróleo. As coisas dificilmente avançam no Brasil sem disputas e brigas políticas”.

Eleições

“Quem poderia lucrar politicamente com o movimento dos caminhoneiros é o (pré-candidato à presidência, Jair) Bolsonaro. O caso leva à demanda por ordem, e ele representava a ordem nessa pré-campanha. Mas a sua atitude dúbia, de apoiar uma greve, pode levar ao questionamento dessa bandeira dele”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPonto facultativo?
Próximo artigoSenador critica greve e diz que movimento é “político”