Fechar promotorias para expandir o Gaeco; MPE vai eleger “prioridades”

José Antônio Borges tomou posse do cargo de procurador-geral de Justiça nesta sexta-feira

(Foto: Divulgação)

Tirar o Ministério Público Estadual (MPE) de determinados municípios para conseguir levar o Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) para o interior do Estado. Essa é a proposta que o novo procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges, pretende colocar em prática ao longo de sua gestão, que teve início nesta sexta-feira (1º).

Afirmando que, em tempos de crise econômica é preciso ser “racional” e eleger prioridades, Borges disse concordar com o movimento que o Poder Judiciário tem sinalizado: o fechamento de comarcas no interior.

“Onde só tem 800 processos, ter um juiz, um promotor e um delegado, eu sou favorável a essa redução”, disse, destacando que o MPE ainda fará um estudo para avaliar o impacto de medidas do gênero.

Sobre a interiorização do Gaeco, o novo procurador-geral antecipou a abertura de quatro unidades ainda neste ano. Elas serão instaladas em Cáceres, Rondonópolis, Sinop e Barra do Garças e vão ficar sob a coordenação do promotor de Justiça Mauro Zaque. Já a unidade da Capital deverá ser comandada pela procuradora Ana Cristina Bardusco, que ficou conhecida após atuar na denúncia que levou importantes políticos à prisão.

A ideia, conforme Borges, é tirar do papel um planejamento que vem de antes de sua campanha ao cargo de chefe do MPE. O primeiro Gaeco Regional, segundo ele, já deveria ter sido inaugurado em 2018.

A proposta com essa interiorização é fortalecer o combate ao crime organizado, em especial o tráfico drogas e a sonegação de impostos. Em discurso durante a solenidade de posse, Borges destacou, por exemplo, que o MPE já recuperou aos cofres púbicos aproximadamente R$ 2 bilhões.

“Muitos políticos não querem que fechem [comarcas] na sua cidade. É o mesmo caso com as delegacias. Mas temos que ser racionais em um momento tão difícil de crise. Governar é eleger prioridades”, disse durante entrevista coletiva.

Já quanto ao orçamento, José Antônio Borges disse que não é momento de cobrar mais do governador Mauro Mendes (DEM). “Não é o momento porque o Estado não tem dinheiro. A gente tem que ser bem objetivo em relação a isso”, destacou, lembrando do acréscimo previsto na última versão da Lei Orçamentária Anual (LOA), já aprovada pela Assembleia Legislativa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPassagem de ônibus em Cuiabá volta a custar R$ 3,85 a partir deste sábado
Próximo artigoConfira dicas de alimentos para aproveitar bem o carnaval