Fazendeiro é procurado por atirar em cachorro de funcionários

Um dos cães foi atingido na boca e precisou ser socorrido pela Polícia Militar

Foto: PMMT

Um fazendeiro de Poconé (100 km de Cuiabá) está sendo procurado pela polícia por ter atirado várias vezes nos cachorros de seus funcionários.

Os maus-tratos aconteceram nessa segunda-feira (12), em uma fazenda na Estrada Velha de Cáceres, zona rural de Poconé.

A Polícia Militar foi acionada por testemunhas por volta das 18h20 e foi até o local, onde encontrou a zeladora da fazenda, que relatou o ocorrido.

Ela disse que seu filho estava assistindo TV quando o patrão começou a mexer na antena parabólica e os dois passaram a discutir, pois o homem queria que o menino fosse trabalhar.

Após a discussão, o homem saiu no quintal, pegou uma arma e deu aproximadamente oito tiros em direção aos cachorros da funcionária. Um dos disparos acertou um dos cães na boca.

Ao ver a cena, um funcionário da fazenda gritou para o patrão que isso dava cadeia. O fazendeiro, então, pediu a chave dos fundos da fazenda, pegou sua camionete e fugiu do local.

Os policiais revistaram o quarto do suspeito e encontraram uma munição calibre 22 deflagrada no chão, um revólver com 19 munições intactas, algumas munições, dois coldres e mais uma espingarda de pressão e uma caixa de chumbinho.

A funcionária disse à polícia que o patrão tinha, ainda, outra arma, que ele podia ter escondido ou levado com ele. Os materiais foram apreendidos e entregues à Polícia Civil.

A equipe policial, então, entrou em contato com a Associação de Proteção Animal (APA) de Poconé e conduziu o animal ferido à entidade, onde o cão ficou sob os cuidados de uma veterinária.

O caso foi registrado como disparo de arma de fogo e maus-tratos a animais silvestres, domésticos ou domesticados. Até o registro da ocorrência o suspeito não havia sido encontrado.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVencendo o vírus
Próximo artigoIgualdade por decreto