Fávaro quer que PGR investigue Selma Arruda por falsidade ideológica

Na defesa de Carlos Fávaro, José Eduardo Cardozo diz haver indícios de que senadora cometeu crime durante a pré-campanha

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A defesa do ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD) protocolou no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) um pedido para que uma cópia do processo contra a senadora Selma Arruda (PSL) seja encaminhada à Procuradoria Geral da República (PGR). A intenção é que seja aberto um inquérito para investigar o eventual crime de falsidade ideológica.

O requerimento foi feito pela banca de advogados liderada pelo ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, que esteve em Cuiabá nesta terça-feira (9) para representar os interesses de Fávaro no julgamento do processo que pode cassar o mandato de Selma Arruda, mas que acabou adiado.

Segundo Cardozo, as evidências do suposto crime estão nos indícios de que a senadora praticou caixa 2 durante a campanha eleitoral e também em afirmações que seu próprio primeiro suplente, Gilberto Possamai (PSL), teria feito à imprensa, tempos atrás.

Possamai teria reconhecido que foi forjado o contrato que daria conta de um empréstimo de R$ 1,5 milhão dele para Selma. Conforme Cardozo, o próprio suplente teria dito que se tratou de uma “manobra” orientada por “advogados de merreca”.

“Considerando que pela legislação eleitoral só bancos podem fazer empréstimos e que, ao que consta, o senhor suplente não é uma unidade bancária, parece que fica clara a afirmação dele de que ‘advogados de merreca’ teriam feito o contrato, que não é verdadeiro. Era uma doação eleitoral. Se é assim, independentemente do problema eleitoral, temos a possibilidade de um crime de falsidade ideológica”, sustentou Cardozo.

José Eduardo Cardozo foi contratado pelo ex-vice-governador Carlos Fávaro, parte no processo (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Sem mais adiamentos

A defesa de Carlos Fávaro também requereu ao TRE-MT que convoque “por cautela” mais três membros da magistratura estadual e que eles se façam presentes na sessão plenária desta quarta-feira (10). O objetivo, segundo o ex-ministro, é evitar que eventuais ausências de integrantes do Pleno novamente impeçam que o julgamento de Selma Arruda ocorra.

Na sessão desta terça-feira (9), o presidente da Corte Eleitoral, desembargador Márcia Vidal, julgou-se suspeito para analisar o caso da senadora. Além disso, a defesa de Selma Arruda levantou suspeitas contra o desembargador Pedro Sakamoto, relator do processo.

Para substituir Vidal, o TRE-MT já convocou a desembargadora Marilsen Andrade Addário. Já Pedro Sakamoto, se o pedido de suspeição de Selma for julgado procedente, deve ser substituído pelo desembargador Rui Ramos.

“Por cautela, estamos requerendo que três outros membros da magistratura estadual sejam colocados à disposição na sessão de amanhã, para, caso existam novas suspeições ou novas ausências, nós possamos ter quórum. E se nem assim houver quórum, que se aplique a jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O que nós queremos é o julgamento, seja para que nossa tese seja vencedora, seja para que seja derrotada”, disse Cardozo.

Gastos em pré-campanha

Minutos antes de a sessão do TRE-MT ter início, o advogado Narciso Fernandes, que atua na defesa de Selma Arruda, criticou o fato de a ex-juíza estar correndo o risco de perder o mandato por conta de uma ação construída com base em outra, de cobrança por um serviço prestado, e sobre a qual, segundo ele, o próprio autor não teria provas suficientes da acusação que fez.

Conforme Fernandes, o processo começou com uma ação monitória, em que um prestador de serviço, o publicitário Júnior Brasa, cobrava da senadora o pagamento por um trabalho realizado na pré-campanha. Fernandes sustenta, entretanto, que o próprio publicitário não teria provas para executar a dívida, tanto é que o caso sequer foi julgado até hoje.

Fernandes ainda negou que a senadora tenha cometido abuso de poder econômico durante a pré-campanha e que isso se comprovaria pelo fato de Selma ter iniciado o período eleitoral em sexto lugar na disputa ao Senado, conforme pesquisas de intenção de voto.

Sobre os gastos fora do período delimitado pela legislação, o advogado da senadora sustentou ainda que existe jurisprudência que os autorizam. Disse ainda que a defesa já apresentou documentos explicando, caso a caso, todos os questionamentos sobre as contas de campanha de Selma Arruda.

“Existem decisões do TSE, do ministro Luiz Fux. Essas decisões definem que é possível, sim, contratar pessoas antes do período eleitoral, desde que não haja pedido de votos”, argumentou.

Narciso Fernandes assumiu a defesa da senadora Selma Arruda no início da semana passada (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Nova eleição

José Eduardo Cardozo rebateu a tese da defesa de Selma, classificando-a de “espantosa”. “Se você pudesse fazer tudo que quisesse na pré-campanha, para que serviriam as regras de contenção da campanha? Bastaria que arrecadasse o que quisesse e contratasse tudo que pudesse e estaria tudo legalizado. Essa tese da defesa da senadora Selma é uma verdadeira heresia jurídica”, disse.

O ex-ministro ainda se mostrou confiante de que, se cassada, Selma Arruda sequer consiga uma decisão no Tribunal Superior que suspenda os efeitos da eventual sentença do TRE-MT, para poder aguardar o julgamento do recurso ainda no cargo. Por isso, acredita que Carlos Fávaro, terceiro colocado na disputa pelo Senado em 2018, conseguirá assumir o mandato até que uma nova eleição seja realizada.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPai paga programa com objetos da filha e prostituta acaba denunciada por furto
Próximo artigoPresidente da CBF diz que sua gestão será pautada pela integridade

O LIVRE ADS