Familiares denunciam negligência com casos de covid-19 no Adalto Botelho

Casos foram confirmados pelo governo nesta segunda-feira (6), mas segundo os familiares, registros foram feitos há 15 dias

Imagem ilustrativa

Há menos de 24 horas, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) confirmou a existência de 17 casos de covid-19 nas instalações do hospital psiquiátrico Adauto Botelho, em Cuiabá. Segundo familiares dos funcionários, porém, os registros começaram a surgir há, pelo menos, 15 dias.

Dos casos notificados, 13 são em funcionários e quatro em pacientes.

A enfermeira Alessandra Bárbara Pereira Leite testou positivo para a doença. Ela trabalha na Unidade III – que trata exclusivamente da recuperação à dependência de drogas – onde os casos foram diagnosticados.

Por volta do dia 20 de março, segundo o marido dela, um dos servidores começou a ter os sintomas e testou positivo para covid-19. Desde então, Alessandra passou a relatar o receio de ir trabalhar.

LEIA TAMBÉM

“Ela ficou com medo do contágio porque não dispensaram o funcionário e ele continuou indo trabalhar normalmente”, relata Benedito Marcos Pereira Leite, marido de Alessandra.

Sem o isolamento do funcionário, logo o vírus se proliferou e contagiou outros servidores e pacientes. Alessandra foi uma delas. Os primeiros sintomas foram tosse e moleza no corpo.

Demora no atendimento

Ela e o marido procuram uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para checar os sintomas no dia 31 de março, uma terça-feira. De lá, a enfermeira voltou com um atestado médico recomendando que ficasse em casa por três dias.

Os sintomas, porém, persistiram. “Fiquei cuidando dela dois dias em casa”, lembra Benedito, contando que decidiu procurar um hospital com o agravamento do estado de saúde da mulher.

Mesmo com a confirmação na doença em um dos funcionários, o teste para o novo coronavírus só foi disponibilizado aos outros servidores do Adalto Botelho na quinta-feira (2). Para isso, Alessandra ainda precisou ir até o local onde trabalha para realizar a coleta do material.

No mesmo dia, a enfermeira foi internada na Santa Casa, em Cuiabá.

Apesar de o hospital ter sido citado pelo governo do Estado como uma das unidades de referência para atendimento, Alessandra precisou ser transferida. A alegação: falta de UTI.

A paciente foi entubada e agora segue internada no Pronto Socorro de Cuiabá. O quadro dela é estável, mas expira cuidados, já que pertence ao grupo de risco em função da diabetes e da hipertensão.

Para o marido, o que fica é a indignação. “Achei um absurdo. Já estavam sabendo lá e ninguém comunicou. Não mandaram o funcionário para casa”, reclama.

Falta de controle

Em nota, o governo do Estado afirma que uma equipe técnica faz o rastreamento e o acompanhamento individual dos casos de covid-19. A ideia é monitorar as famílias e todos os contatos dos pacientes.

Segundo Benedito, porém, desde que o teste confirmou a suspeita da doença em Alessandra, ele não foi contactado.

“Estou em quarentena, mas não tive nenhum contato, nenhum telefone da vigilância, do Estado, do município. Sequer fiz o teste”.

Biólogo de formação, ele mesmo realizou a assepsia da casa onde mora com a esposa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDemitido, funcionário rouba 15 cabeças de gado do patrão antes de ir embora
Próximo artigoA quarentena é a única resposta?

O LIVRE ADS