Família que perdeu parte da casa em incêndio revive tragédia diariamente; saiba como ajudar

Ainda não conseguiram se recuperar; incêndio aconteceu em casa ao lado da Igreja São Benedito

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A família de Izabel Carvalho relembra todos os dias o incêndio que consumiu grande parte da residência, a primeira casa da vila de casarios históricos ao lado da Igreja São Benedito, em Cuiabá. No dia 11 de setembro, enquanto havia missa na igreja ao lado, transeuntes e vizinhos foram surpreendidos com a luz do fogo que ultrapassou os limites do telhado e então pôde ser percebido por quem passava por lá. Por uma bênção, acreditam seus moradores, não havia ninguém em casa.

Hoje a família vive entre os poucos espaços da parte de trás da casa. O que era história, foi quase toda perdida. Documentos, fotos de família, grande parte da residência que ficava à frente e até a escritura da casa. O quarto de Izabel ficava bem à frente. “Eu sinto falta de ficar à janela, acompanhando o movimento”, diz ela, sobre o menor de seus problemas após o fogo.

Izabel se emociona ao falar do tempo em que ficava da janela do seu quarto observando o movimento da cidade. Hoje, elas estão fechadas (Ednilson Aguiar)

Enquanto ela mostrava as janelas – agora fechadas – e que ficam de frente à viela, descobrimos um Papai Noel pendurado na entrada da casa, acima da porta que dava acesso ao quarto dela. “Ah! Eu não acredito!”, disse, às lágrimas. Izabel não conteve o choro quando constatou que, mesmo sendo aquele o ponto mais crítico do incêndio, o pequeno boneco não havia se queimado. Em tempos que antecedem a festa cristã, seria este um sinal?

Depois de contar com a solidariedade de pessoas que se uniram para garantir à família roupas e tudo mais que precisassem logo depois da tragédia, sem condições de reocupar o espaço, pois não tem dinheiro para custear a reforma, pode ser que neste período natalino – em que o espírito de unidade prevalece – eles consigam reabitar a área que foi incendiada.

“Estamos todos reunidos na parte de trás da casa, não que não sejamos resignados, mas se tivermos ajuda, temos o sonho de entregar a primeira parte da casa para a sociedade. Muitas fotos, propagandas e filmes foram feitos aqui na nossa fachada. Agora, a gente quer que esse espaço seja aberto à visitação pública”, diz.

Outros dois irmãos de Izabel – além dela – vivem com suas famílias na casa que fica ao lado da Igreja São Benedito (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Izabel conta que há algumas décadas sua avó realizava uma das principais festas da cidade. “Minha avó, Jovina de Carvalho, fazia a festa de São João com três dias de duração. Era muito animada. Era conhecida como a famosa Bola de Ouro”, relembra a professora, que é cuidadora de alunos especiais na rede pública de ensino.

Retomada contará com apoio de voluntários

O arquiteto e ativista em prol do patrimônio histórico, Robinson Araújo, corre contra o tempo para dar início à restauração da casa (Ednilson Aguiar/ O Livre)

Um dos que têm acompanhado o processo de perto e inicia mobilização pela restauração da área, é o arquiteto e coordenador do setor de Patrimônio Histórico da Secretaria de Estado de Cultura, Robinson Araújo. “Temos que começar em regime de urgência, já que a casa, assim como a Casa de Bem Bem, vai ficar vulnerável no período das chuvas. Corremos o risco de perdê-la, pois com a chuva as paredes podem ruir”, diz ele.

Robinson disse que o engenheiro Antônio Ramos Corrêa se dispôs a cuidar da obra e a professora Flávia Nascimento, da faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Unic, também abraçou a causa. Ela e os alunos farão o projeto da casa, incluindo a área aberta à visitação do público. “A ideia é transformar em uma espécie de museu da cuiabania, para que o público possa visitar este que é um dos principais espaços históricos da cidade. Quem ama Cuiabá, vai ajudar a preservar sua história. Precisamos de apoio para compra de materiais e mão de obra”, explica. Especialistas da Sec-MT e do Instituto do Patrimônio e Histórico Nacional (Iphan) tem atuado como voluntários.

Valor Histórico

Segundo ele, a casa integra conjunto tombado pelo patrimônio histórico estadual. Tudo que está no entorno da Igreja de São Benedito é tombado também. A vila está aí desde os primeiros 50 anos de Cuiabá. A arquitetura é exemplo do modo de como os bandeirantes paulistas construíram no Brasil. “E ainda por cima fica de frente a uma área historicamente conhecida como Alavanca de Ouro, que na atualidade, não se sabe como, ganhou a alcunha de Ilha da Banana”.

O casario, como explica, data da época da colonização dos bandeirantes. “Os três tipos de paredes encontradas nessa parte incendiada já revelam a carga histórica. Tem tecnologia das origens, como a taipa – que parou de ser usada na metade do século 19 -, adobe e tijolos maciços, bem como ladrilhos hidráulicos que também foram danificados com o incêndio”.

Robinson avalia que essa região nunca foi valorizada e como a família não tem condições, foram feitas mínimas manutenções. “É uma casa que foi passada de geração em geração. E ainda hoje guarda toda sua originalidade”.

Sobre a Igreja de São Benedito, ao lado do casario, Robinson conta que nos idos de 1910 e 1920 ela foi neogótica. A partir de 1980, foi revitalizada, voltando às suas características originais, da arquitetura colonial.

Quem quiser ajudar a família a reerguer o pedaço da sua história e da história de Cuiabá que foi perdido no incêndio no início de setembro – e do qual ainda não se recuperaram – pode ligar na Coordenação de Patrimônio Histórico da Sec-MT, no (65) 3613-0232, falar com Robinson.

Com apoio de amigos, a família realiza também duas rifas. Cada uma sorteará, um televisor e um quadro. Toda renda será revertida para recuperação da casa. Quem quiser participar, pode ligar para Rogério Carvalho, irmão de Izabel, no 65 99916-7280.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCom previsão de chuva, temperaturas não devem passar os 33ºC no final de semana
Próximo artigoBlairo Maggi diz que agro perde ativistas, mas não perde a força