Falta de EPIs na mira do MP

Documento em que Sindicato alerta para o colapso do sistema de saúde foi encaminhado ao promotor Alexandre Guedes

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Ainda que decidam adotar um esquema de lockdown na reunião que terão nesta terça-feira (9), as prefeituras de Cuiabá e Várzea Grande (região metropolitana) não estarão completamente “a salvo” da denúncia que o Sindicato dos Profissionais de Enfermagem de Mato Grosso fez ao Ministério Público Estadual.

É que, além de pedir que o MP recomendasse o fechamento completo das duas cidades, o Sindicato alertou para a falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os servidores da saúde.

Nesta segunda-feira (8), o procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira,  encaminhou o ofício do Sindicato ao promotor de Justiça Alexandre Guedes, titular da 7ª Promotoria de Justiça Cível da Capital.

Ao LIVRE, Alexandre Guedes disse que ainda não recebeu o ofício e que, portanto, ainda não tomou nenhuma decisão sobre o assunto. Mas adiantou que a falta de EPIs pode ser objeto de ação judicial, caso o MP verifique a necessidade de intervir.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrefeitos se reúnem para discutir possibilidade de lockdown em Cuiabá e Várzea Grande
Próximo artigoDetran de MT adota QR Code e licenciamento de veículos pode ser impresso em casa