Falar sobre suicídio evitaria 90% dos registros

Dados a OMS mostram a importância do Setembro Amarelo, mês dedicado ao tema

A porcentagem de casos de suicídio que poderiam ser evitados com conversa e acolhimento chega a 90% no mundo. O cálculo foi realizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e mostra a importância do Setembro Amarelo, mês dedicado ao tema e a quebra de tabu em torno dele.

O autor do livro “Tenho Depressão, E agora?”, idealizador e coordenador do Grupo de Apoio Terapêutico #Fale, Alan Barros, defende que é preciso falar sobre o assunto para que o tema deixe de ser encoberto dentro dos ambientes familiares e fora dele.

Atualmente, ele faz o acolhimento das pessoas gratuitamente todas terças-feiras, no Cine Teatro Cuiabá. O grupo, coordenado em parceria com a psicóloga Flávia Haddad, já conta com 90 pessoas de idades, ocupações e situação de vida diversas.

“Ali, dividimos experiências e descobrimos, com fraternidade, qual a melhor maneira de conduzir o problema. O trabalho começou despretensioso na casa da Flávia e foi ganhando corpo até chegarmos onde estamos hoje”.

Para este mês, Alan pretende fazer algo impactante e focado em resultados a curto e médio prazo, principalmente nas áreas de Saúde e Educação. Ele está promovendo o Iº Seminário Estadual de Prevenção e Pósvenção do Suicídio.

O evento será realizado no Teatro Zulmira Canavarros no dia 17 de setembro, das 14h às 21h. A entrada é dois quilos de alimento não perecível e as inscrições podem ser realizadas pelo site:www.tenhodepressaoeagora.com.br ou @tenhodepressaoeagora.

Parceiros

No encontro, estarão reunidas as principais entidades que trabalham com a prevenção de suicídio e desenvolvem pesquisas sobre o tema.

Entre elas estão o Centro de Valorização da Vida, a Associação Mato-grossense de Psiquiatria, Assembleia Legislativa e Universidade Federal de Mato Grosso, por meio do Núcleo de Estudos da Saúde Mental de Mato Grosso (Nesm).

Programação

Após a fase de credenciamento, haverá uma palestra com a coordenadora do Nesm, Samira Marcon. Ela desenvolverá o tema: Suicídio – Temos que falar sobre isto.

Em seguida, haverá uma mesa redonda, com a participação de pesquisadores e profissionais de saúde. Neste momento, o objetivo é discutir o suicídio entre estudantes, profissionais da saúde, bem como as melhores estratégias para prevenção dentro dos ambientes.

Depois, será a capacitação em Prevenção e Pósvenção de Suicídio, ministrada por Alan Barros. O trabalho terá o repasse de ferramentas de prevenção e acolhimento para quem tem ideias suicidas ou que já efetuou tentativa.

Às 20h, haverá o encerramento com um talkshow, no qual estarão representantes de todas as entidades envolvidas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFusão de programas sociais pode dobrar impacto sobre desigualdades, avalia Ipea
Próximo artigoDe olho no turismo, Governo asfalta estrada do Coxipó do Ouro