Faça o que digo…

MPE recomenda que governo abdique de aumento, poucos dias depois de aumentar salários

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Menos de dez dias depois de a Assembleia Legislativa aprovar a concessão do Reajuste Geral Anual (RGA) aos servidores do Ministério Público do Estado (MPE), promotores de Justiça recomendaram ao Governo do Estado que se abstenha de promover qualquer realinhamento ou reajuste nos salários funcionalismo público.

As medidas, aparentemente contraditórias, geraram vários questionamentos, especialmente no que diz respeito ao fato de o duodécimo do Ministério Público ser repassado pelo próprio Executivo Estadual.

Acontece que, além da independência dos Poderes – ou seja, de cada um pagar seus servidores com seus próprios recursos, a recomendação do Ministério Público leva em consideração o limite de gastos com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Isso quer dizer que, mesmo que o Ministério Público abdicasse de parte de seu duodécimo em prol do Governo do Estado, isso não mudaria o cenário da folha de pagamento do Executivo, que já descumpriu os limites estabelecidos na LRF.

Quando um Estado “estoura” os limites previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal no que diz respeito aos gastos com pessoal, ele pode ficar impedido de contratar operações de crédito, bem como não receber transferências voluntárias da União até regularizar a situação.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMega Leilão: mais de 11 mil animais foram vendidos em 6 horas
Próximo artigoEdição especial do Festival das Flores é promovida pela Casa da União

O LIVRE ADS