Fábio Garcia e Ezequiel Fonseca são os federais mais faltosos de Mato Grosso

Os oito deputados federais por Mato Grosso compareceram a pelo menos 70% das sessões ordinárias e extraordinárias

Com um custo aos contribuintes superior a R$ 8,5 milhões por mandato, os oito deputados federais por Mato Grosso têm cumprido pelo menos uma das obrigações para as quais foram eleitos: a presença em plenário. Antes de iniciar a disputa eleitoral deste ano, na qual sete deles devem estar inseridos, os parlamentares compareceram em pelo menos 70% das sessões ordinárias e extraordinárias.

Fábio Garcia (DEM) e Ezequiel Fonseca (PP) são os deputados que mais faltaram em sessões deliberativas sem justificativa. Mesmo assim, eles eles registram um percentual de presença de 88,5% e 89,1%, respectivamente. De um total de 391 realizadas no período, o democrata esteve ausente em 45 sessões e não justificou 35 delas e o progressista faltou em 38 sessões, sendo 34 sem justificativa.

Embora o parlamentar com menor índice de comparecimento seja Carlos Bezerra (MDB), com 72%, ele justificou 94 das 106 faltas. Assim como Adilton Sachetti (PRB), que faltou em 64 sessões, mas justificou 59 delas. Nilson Leitão (PSDB), que esteve ausente em 31, apresentou justificativa para 21.

Victório Galli (PSL) conta com o maior percentual de presença, 97,8%, tendo faltado apenas oito vezes e somente duas sem justificativa. Valtenir Pereira (MDB) esteve presente em 95,7% das sessões, não tendo justificado apenas três faltas. Ságuas Moraes (PT) esteve ausente em 16 das 391 sessões e justificou todas elas.

Custo dos deputados

Somados os salários, cota de atividade parlamentar, auxílio-moradia e ajuda de custo, hoje os deputados federais representam um custo mensal de quase R$ 184 mil cada um, totalizando R$ 2,2 milhões por ano.

O salário de um deputado federal é de R$ 33.763, a cota para exercício da atividade parlamentar, antiga verba indenizatória, é de R$ 39.428,03 para os representantes de Mato Grosso, e a verba de gabinete para até 25 funcionários é de R$ 101.971,94.

Sessões deliberativas

As sessões deliberativas podem ser ordinárias e extraordinárias. As primeiras começam às 14h, de terça a quinta-feira, com cinco horas de duração. Fora do horário das ordinárias, é possível realizar sessões extraordinárias para discutir e votar proposições, estas sessões têm duração de quatro horas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. “O novo” e o homem que pôs dinheiro na caixa de papelão, sendo que em delação premiada Silval sustentou tratar se de dinheiro de propina, vamos ver o povo irá reelegê-los, ao meu ver nenhum dos dois merece ser reeleito.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá empata fora de casa contra líder e está próximo da Série B
Próximo artigoJuiz de Mato Grosso percorre 90 km da maior e mais antiga corrida do mundo

O LIVRE ADS