Expectativa de vida em MT é uma das mais baixas do Centro Oeste

Com média de 74,9 anos, Mato Grosso só fica na frente de Goiás, segundo o IBGE

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Uma pessoa nascida em Mato Grosso em 2019 tinha expectativa de viver, em média, até os 74,9 anos de idade. Esse é um dos menores índices do Centro Oeste. No ranking, o Estado só não perde para Goiás (74,7). Os dois estão abaixo da média nacional, que ficou em 76,6 anos.

As informações são das Tábuas Completas de Mortalidade para o Brasil, divulgadas pelo IBGE. A expectativa de vida fornecida pelo estudo é um dos parâmetros para determinar o fator previdenciário no Brasil.

Entre as unidades da federação, a maior expectativa de vida foi verificada em Santa Catarina (79,9 anos), com 3,3 anos acima da média nacional, e a menor, no Maranhão (71,4 anos).

Assim como no Brasil, em Mato Grosso, a probabilidade de sobrevivência entre os 60 e 80 anos das mulheres é maior que a dos homens. No Estado, a proporção é de 510 por mil para homens e 628 por mil para mulheres.

As taxas mais baixas foram registradas, no Piauí para os homens (427 por mil) e em Rondônia (557 por mil) para as mulheres. Para ambos os sexos, a menor taxa é a de Rondônia, onde nem metade dos indivíduos que atingem os 60 anos chega a completar 80.

Mortalidade infantil

O levantamento do IBGE também traz dados sore a mortalidade infantil. Em 2019, a menor – assim como em 2018 – foi verificada no Espírito Santo: 7,8 óbitos de menores de 1 ano para cada mil nascidos vivos. Por outro lado, a maior foi, mais uma vez, a do Amapá: 22,6 por mil.

Em Mato Grosso, o número é de 15,8 mortes por casa mil recém-nascidos vivos. Esse o oitavo maior percentual do país.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTCE deixa processo prescrever e José Riva “ganha” pensão vitalícia de R$ 25 mil
Próximo artigo“Supercontratação” de comissionados custou R$ 41 milhões à Câmara de Cuiabá